• 22 a 26 Julho 2019
    ecb

    A reunião de política monetária do Banco Central Europeu no dia 25 será o destaque da próxima semana. Os investidores aguardam que o BCE implemente uma política monetária mais acomodatícia, através de cortes das taxas de juro e novas aquisições de activos.

    Estes são os principais eventos:

    Segunda-feira, 22 de Julho 2019

    • 16h00: Discurso de Kuroda, governador do Banco do Japão 
    • Resultados Empresariais Portugal: NOS
    • Resultados Empresariais Europa: Koninklijke Philips (06h00)
    • Resultados Empresariais EUA: Haliburton (AA)

    Terça-feira, 23 de Julho 2019

    • Partido Conservador britânico anuncia o sucessor de Theresa May
    • 15h00: Confiança dos Consumidores Zona Euro
    • 15h00: Vendas de Casas Pendentes EUA
    • Resultados Empresariais Europa: Banco Santander, Hermes, Endesa, Randstad
    • Resultados Empresariais EUA: Harley-Davidson (AA), Coca-Cola (AA), Biogen (AA), Hasbro (AA), Texas Instruments, Chipotle Mexican Grill (21h10) Visa (DF)

    Quarta-feira, 24 de Julho 2019

    • Índice PMI: Japão (01h30), França (08h15), Alemanha (08h30), Zona Euro (09h00), EUA (14h45)
    • 15h00: Vendas de Casas Novas EUA
    • 15h30: Reservas Semanais de Energia EUA
    • Resultados Empresariais Portugal: EDP Renováveis (AA), Impresa, Navigator (DF)
    • Resultados Empresariais Europa: Daimler, Koninklijke KPN, Akzo Nobel, Peugeot, Deutsche Bank, Repsol (AA), Iberdrola, GlaxoSmithKline (12h00), LVMH (DF), Facebook (DF)
    • Resultados Empresariais EUA: Hilton (AA), AT&T (AA), Paypal, Boeing (AA), Caterpillar (12h30), Ford (21h15)

    Quinta-feira, 25 de Julho 2019

    • 09h00: Índice IFO Alemanha
    • 12h45: Decisão da taxa de juro pelo BCE
    • 13h30: Conferência de Imprensa de Mario Draghi, presidente do BCE
    • 13h30: Encomendas de Bens Duradouros EUA
    • Resultados Empresariais Portugal: CTT (DF), EDP, Jerónimo Martins (DF), Novabase, REN (17h00)
    • Resultados Empresariais Europa: BASF (06h00), Danone (06h30), Telefonica (06h30), Volkswagen (06h30), Orange, AstraZeneca, Total, Unilever, STMicroelectronics (AA), 3M, American Airlines, Carrefour
    • Resultados Empresariais EUA: Bristol-Myes Squibb, Comcast, Intel, Amazon.com, Alphabet (DF)

    Sexta-feira, 26 de Julho 2019

    • 00h30: Inflação Japão
    • 13h30: PIB EUA
    • Resultados Empresariais Portugal: Pharol (17h00), Semapa, Sonae Capital, Sonaecom
    • Resultados Empresariais Europa: Acerinox, Banco de Sabadell (06h00), Eni (06h45), Vodafone (09h00), Renault (AA), CaixaBank
    • Resultados Empresariais EUA: Allergan, Twitter (12h00), Colgate-Palmolive, McDonald's, AbbVie (AA)

    Para consultar a agenda semanal, aceda ao link abaixo: 

    Agenda Semanal - 22 a 26 Julho 2019

    Para consultar os resultados empresariais, aceda ao link abaixo: 

    Resultados Empresariais - 22 a 26 Julho 2019
  • ouro

    2019 tem sido um ano positivo para as acções europeias mas também para o ouro. Ambos estão com uma valorização de 15% este ano. A prata subiu 8%, atingindo máximos de Junho de 2018 enquanto o ouro negoceia em máximos de 6 anos. 

    Destaca-se a natureza incomum dos actuais mercados, regidos pelas políticas dos bancos centrais que estão a impulsionar tanto os activos de refúgio, como os activos mais arriscados.
  • Bilionários na corrida espacial
    Fonte: Time
    moon

    Hoje o mundo celebra os 50 anos da chegada do homem à Lua. A nova corrida espacial é bem diferente da disputa que levou o homem à Lua. Se há 50 anos os principais actores eram os governos dos EUA e, da então, União Soviética, agora as empresas privadas assumem o protagonismo na corrida espacial:

    - A Virgin Galactic de Richard Branson, já conseguiu transportar uma passageira num voo teste com sucesso e, dessa forma, salta na frente do turismo espacial;

    - A SpaceX de Elon Musk poderá tornar-se a primeira empresa americana a levar astronautas à Estação Espacial Internacional;

    - A Blue Origin de Jeff Bezos deverá realizar os seus primeiros voos suborbitais com astronautas privados;

    Segundo o Morgan Stanley, em 2040, a indústria espacial poderá atingir $1,1 biliões.
  • "Yield Curve" entre 3 meses e 10 anos já não está invertida
    Fonte: mISH
    yield
    Até agora a "yield curve" entre as obrigações soberanas a EUA a 3 meses e 10 anos esteve invertida, ou seja, as taxas de curto prazo estavam superiores às de longo prazo que normalmente antecipa uma recessão da economia norte-americana.

    Agora com a perspectiva de corte das taxas de juro em 31 de Julho, a taxa de juro das obrigações a 10 anos já está superior à de 3 meses.
  • Maior probabilidade de corte de 50 pontos base em Julho
    Fonte: CME
    fed

    Ontem, o presidente da Fed de Nova Iorque, John Williams alimentou ainda mais as expectativas de um corte nos juros de referência pelo banco central dos EUA.

    Williams afirmou que, quando a inflação não é satisfatória, o banco central não pode “disparar pólvora seca” e esperar que os possíveis problemas económicos não aconteçam. 

    A probabilidade de um corte de 50 pontos base aumentou para 50,4% contra 49,6% para uma redução de 25 pontos base, segundo os futuros dos Fed Funds.
  • Mercados europeus em alta com bancos centrais em foco
    Fonte: Banco Invest, Bloomberg
    190719

    Os mercados europeus abriram em alta, depois da Reserva Federal dos EUA ter aumentado ainda mais as expectativas de um corte da taxa de juro no final deste mês, reavivando as expectativas de uma redução ainda maior de 25 pontos base. A Bloomberg também anunciou ontem que o gabinete técnico do Banco Central Europeu estaria a estudar uma possível reformulação da sua meta de inflação para facilitar mais estímulos monetários na Zona Euro.

    Na Ásia, o índice Nikkei 225 fechou a subir 2% e as praças chinesas encerraram positivas após um segundo contacto telefónico entre os membros das equipas de negociação norte-americanas e chinesas.

    As principais bolsas norte-americanas encerraram com ganhos, apesar de ter negociado a maior parte da sessão no vermelho, após o discurso do presidente da Fed de Nova Iorque, John Williams que confirmou a necessidade de uma mudança de acção pela Reserva Federal, reforçando as expectativas de uma descida da taxa directora da Fed na próxima reunião, que decorre nos dias 30 e 31 de Julho. 

    A Microsoft apresentou receitas e lucros acima das previsões dos analistas devido à solidez da sua unidade de negócio da "cloud computing" que superou as receitas do Windows e do Office pela primeira vez. As acções subiram 2,66% em after hours.

    Dados Macroeconómicos:

     00h30: Inflação (Jun)

     07h00: Índice de Preços no Produtor (Jun)

     09h00: Conta Corrente do BCE (Mai)

     09h30: Finanças Públicas (Jun)

     15h00: Índice de Confiança Universidade Michigan (Jul)


    Eventos:

     Discursos de vários membros da Fed: Bullard (16h10) e Rosengren (21h30)

     Fitch e Moody’s pronunciam-se hoje sobre o "rating" da Alemanha


    Resultados:

     Glintt (DF)

     BB Biotech, Stora Enso, Saab

     American Express, Blackrock (AA), Schlumberger (12h00)


    Estes são os principais destaques da imprensa hoje:

     Generali compra Tranquilidade por 600 milhões

     Sondagem: PSD está cada vez mais longe do PS

     Sondagem: PSD está cada vez mais longe do PS

     Centeno com um pé no FMI

     Antonoaldo Neves, CEO da TAP: 'Quando a empresa era pública pagou prémios em ano de prejuízo

     Donativos dos portugueses para os incêndios usados sem controlo

     Mário Centeno: Ministro é hipótese para cabeça do FMI

     Auditores alertam para possível "buraco" de três mil milhões no Metro de Lisboa

     Bloco quer englobar rendimentos prediais e de capitais no IRS

     CGD avalia acções contra gestores que aprovaram crédito a Vale do Lobo

  • "Trillion dollar" Microsoft apresenta resultados hoje
    Fonte: FactSet
    msft
    A empresa mais valiosa do mundo apresenta os seus resultados do 2.º trimestre hoje, após o fecho do mercado. Os analistas esperam um EPS de $1,21 e receitas de $32,75 mil mn. 

    Após uma enorme transformação sob a liderança do seu CEO, Satya Nadella, a Microsoft tornou-se num dos "players" mais poderosos no mercado de computação na nuvem, que está em franca expansão, garantindo a segunda maior quota de mercado, atrás apenas da Amazon.

    A empresa também tem uma posição de liderança em produtos de software, como o Windows e o Office. Estas vantagens ajudarão a empresa a atingir um crescimento sustentado de dois dígitos em receitas e lucros por acção que não deverá desiludir os investidores.
  • Crescimento em pausa com aumento de preços
    Fonte: Bespoke
    nf
    A empresa de "streaming" registou um segundo trimestre fraco, tendo apresentado resultados muito aquém das estimativas e uma perda líquida de clientes nos Estados Unidos, algo que não acontecia há oito anos.

    Netflix angariou 2,7 milhões novos clientes, bastante aquém os 5,06 milhões esperados pelos analistas. A empresa falhou as estimativas em todas as regiões, especialmente em que houve um aumento dos preços. Netflix espera uma normalização na adição de subscritores no 3.º trimestre devido à nova temporada de "Stranger Things".

    A magnitude na desilusão no número de novos subscritores é uma das maiores dos últimos tempos. Historicamente, a Netflix normalmente surpreende positivamente no trimestre seguinte à "desilusão". Alguns analistas consideram esta queda como "buying opportunity".

    Segundo a Bespoke, hoje será a 14.ª vez que após os resultados trimestrais, as acções da Netflix caem mais de 10%. Nas últimas vezes,  as acções recuperaram da abertura ao fecho em 8 das 13 vezes. 

    nflx

  • EUR/USD em mínimos com BCE a rever meta de inflação
    Fonte: Bloomberg
    eur

    O EUR/USD está a negociar em mínimos do dia, após a Bloomberg TV ter informado que o Banco Central Europeu poderá rever a sua meta de inflação que actualmente está abaixo, mas próximo, de 2% no médio prazo. 
  • Mar de vermelho com resultados empresariais a pesarem
    Fonte: Banco Invest, Bloomberg
    180719

    Os mercados europeus abriram em queda com a divulgação de resultados decepcionantes. As acções da SAP caem 7% depois de ter reportado uma queda de 21% no lucro operacional do 2.º trimestre.

    Nos Estados Unidos, a Netflix perdeu clientes norte-americanos pela primeira vez desde 2011. As acções da Netflix caíram 11,97% em after hours. Por outro lado, os resultados da IBM (-1,31%) e eBay (+6,02%) superaram as expectativas.

    Na Ásia, o índice Nikkei 225 fechou a cair 1,97%, após as exportações nipónicas terem caído pelo sétimo mês consecutivo, em Junho (-6,7% vs. -5,4% previstos). As praças chinesas encerraram no vermelho com o impasse nas negociações comerciais entre a China e os EUA devido às restrições sobre a chinesa Huawei.

    As principais bolsas norte-americanas encerraram em baixa devido a um eventual prolongamento da guerra comercial entre os Estados Unidos e a China que possa vir a prejudicar os resultados empresariais. O Dow Jones Transportation Average, barómetro do crescimento económico, registou a maior queda desde Maio. Bank of America, o segundo maior banco americano em termos de activos apresentou um EPS de $0,74 acima dos $0,71 esperados pelos analistas. O produto bancário ascendeu aos $23,2 mil mn em linha com o previsto.

    Dados Macroeconómicos:

     00h50: Balança Comercial (Jun)

     09h30: Vendas a Retalho (Jun)

     13h30: Indicador de Sentimento Empresarial de Philadelphia (Jul)

     13h30: Pedidos de Subsídio de Desemprego

     15h00: Leading Index (Jun)


    Eventos:

     09h30: Reunião do Conselho de Ministros

     11h30: Reunião dos Ministros de Finanças e dos Governadores dos Bancos Centrais do G7 em Chantilly, França

     Discursos de vários membros da Fed: Bostic (14h30) e Williams (19h15)


    Resultados:

     SAP, Telia (06h00) Novartis, Volvo (06h20), Kone (10h30)

     UnitedHealth Group (AA), Honeywell (AA), Danaher (11h00), Philip Morris (12h00), Morgan Stanley (12h30), Microsoft (DF)


    Estes são os principais destaques da imprensa hoje:

     Programa Nacional de Investimentos: PS ressuscita terceira travessia do Tejo

     Pensões pagas em Agosto já não vão ter IRS agravado

     Mario Centeno apontado com um dos candidatos á liderança do FMI

     Raize triplicou num ano o capital disperso em bolsa

     Chefe das Forças Armadas diz que a situação "é insustentável"

     Costa desafia Justiça a tirar mais dinheiro a corruptos

     "Babyboom" no primeiro semestre

     Donos de casa dos centros históricos podem receber IMI dos últimos quatro anos

  • Corte de taxas de juro: Medida cautelar para evitar recessão?
    Fonte: Thomson Reuters
    insurance

    Dia 31 de Julho de 2019 será certamente um dia marcado a vermelho nas agendas dos investidores. Enquanto a maioria espera um corte de 25 pontos-base, a UBS prevê um corte de 50 pontos-base porque acredita que será uma "medida cautelar" para evitar uma recessão, tal como em 1995 e 1998.

    Segundo a UBS, quando os cortes da taxa de juro causaram uma recessão, o índice S&P 500 caiu 15%, cerca de nove meses após o corte. 

    No caso de evitar uma recessão, o índice recuperou 25% um ano depois. A maioria dos analistas dos grandes bancos, não esperam uma recessão no próximo ano.  
  • A primeira FAANG apresenta resultados hoje
    Fonte: Market Relist
    Netflix-paid-subscriber-additions
    As acções de Facebook, Amazon e Alphabet, que fazem parte dos "FAANG" subiram mais de 5% em Julho, com os investidores cada vez mais dispostos a apostarem em acções voláteis, graças às expectativas de que a Fed reduza as taxas de juro no final deste mês.

    As empresas FAANG são responsáveis por cerca de 17% dos $26 biliões de capitalização bolsista do índice S&P 500.

    A Netflix tem sido a empresa com menor rendibilidade do grupo FAANG este mês, com uma valorização de apenas 0,2%, com os investidores preocupados em relação à concorrência da Walt Disney que possa limitar o crescimento de subscritores.

    Mesmo assim, as acções da Netflix subiram 2% desde a divulgação dos seus anteriores resultados e valorizaram 37% desde o início do ano. 

    Os analistas esperam um lucro de $0,56 por acção e receitas de $4,9 mil mn no 2.º trimestre. Os resultados são apresentados após o fecho do mercado norte-americano.
  • Quem é que está a comprar?
     Aparentemente são os investidores "inteligentes"!

    O índice "Smart Money Flow" que segue os últimos 30 minutos do fecho de negociação versus os primeiros 30 minutos de abertura do índice S&P 500 está a atingir novos máximos.

    smart

    Por outro lado, o desempenho fraco do índice BlackRock comparado com o índice S&P 500 sugere que não são investidores particulares a comprarem acções. As recompras de empresas das suas acções próprias também estão a impulsionar os índices para recordes históricos.

    underowned
  • Estratégia de Valor ou Crescimento?
    Fonte: BofAML
    value
    Segundo o inquérito mensal do BofAML, só 2% os gestores de fundos acreditam que as acções de valor irão superar as acções de crescimento nos próximos 12 meses. Esta percentagem está em mínimos desde 2010 devido à baixa inflação e expectativas de crescimento reduzidas.

    O que distingue estas duas estratégias?

    • Estratégia de valor:

    - Acções consideradas “baratas” em que as empresas apresentam baixos rácios price-to-book (P/B) e price-to-earnings (P/E) e que tenham demonstrado boa capacidade de retorno para o accionista. 

    - Por norma, trata-se de empresas que tendem a evidenciar um comportamento de menor risco, menor volatilidade e valorizações mais ajustadas com a média dos mercados.

    - Normalmente são sectores mais tradicionais, como os sectores energético, financeiro e "utilities", que, pela sua natureza, tendem a revelar menores oportunidades de crescimento.

    • Estratégia de crescimento:

    - Acções de empresas que tenham um forte potencial de crescimento nos resultados e que, por norma, não distribuem dividendos canalizando os lucros para o seu crescimento.

    - Estas empresas têm, por norma, mais risco do que as empresas de “valor”, maior volatilidade nas suas cotações e, consequentemente, grandes amplitudes no seu retorno. 

    - Tipicamente são empresas dos sectores tecnológicos que face aos desafios permanentes da inovação, revelam maior potencial de crescimento.
  • Mercados europeus na linha de água com inflação Zona Euro em foco
    Fonte: Banco Invest, Bloomberg
    170719

    Os mercados europeus abriram na linha de água, com os investidores aguardarem a divulgação da inflação na Zona Euro, em Junho. Os economistas esperam uma taxa de inflação de 1,2%, em termos homólogos.

    Na Ásia, o índice Nikkei 225 fechou a cair 0,31% e as praças chinesas encerraram negativas, depois do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump ter dito que poderá impor mais tarifas à importação de produtos chineses, recordando assim aos investidores que as tensões comerciais entre as duas maiores economias do mundo ainda não estão resolvidas.

    As principais bolsas norte-americanas encerraram no vermelho apesar de Powell, presidente da Fed ter dito ontem que o banco central norte-americano está a "monitorizar cuidadosamente" os riscos de desaceleração do crescimento económico do país e que "agirá de forma apropriada para sustentar a expansão", o que intensifica a perspectiva de um corte de juros já na reunião dos dias 29 e 30 de Junho.
     
    Dados Macroeconómicos:

     07h00: Vendas de Automóveis (Jun)

     09h00: Encomendas e Vendas Industriais (Mai)

     09h30: Inflação (Jun)

     10h00: Inflação (Jun)

     Output de Construção (Mai)

     11h00: Índices de Preços na Produção Industrial (Jun)

     11h00: Síntese Económica de Conjuntura (Jun)

     11h00: Estatísticas da Construção e Habitação (2018)

     13h30: Casas em início de Construção (Jun)

     13h30: Licenças de Construção (Jun)

     15h30: Reservas Semanais de Energia


    Eventos:

     10h30: IGCP realiza dois leilões das linhas de BT com maturidades a 6 e 12 meses, com um montante indicativo global entre €1.250 mn e €1.500 mn

     11h30: Reunião dos Ministros de Finanças e dos Governadores dos Bancos Centrais do G7 em Chantilly, França (até 18 de Julho)

     19h00: Fed publica "Beige Book"


    Resultados:

     ASML Holding (06h00), Swedbank (06h00), Ericsson (06h30)

     Abbott Laboratories (AA), Bank of America (11h45), US Bancorp (AA), PNC Financial Group (11h45), eBay, Crown Castle International (DF), IBM (DF), Netflix (DF)


    Estes são os principais destaques da imprensa hoje:

     Entrevista a João Almeida: "Seria muito incompreensível" se ninguém fosse responsabilizado na Caixa

     Brasileira Oi quer multiplicar por dois o seu valor

     Parlamento não mexe no tempo de trabalho

     Comissão Europeia: Von der Leyen ganha à justa liderança da Europa

     Acordo laboral resiste à pressão da esquerda parlamentar

     Casas dos centros históricos deixam de pagar imposto

  • Gestores de fundos aumentam exposição em acções
    O Bank of America Merrill Lynch elabora mensalmente um inquérito, junto de 207 gestores de fundos globais que gerem carteiras no montante total de $598 mil mn. Estes foram os principais pontos que emergiram da sondagem mensal até 12 de Julho:

    - A alocação em acções aumentou 10%, no entanto, continua muito abaixo da média de longo prazo. A alocação no mês anterior foi o mínimo desde Março 2009. 

    1
    - O investimento em obrigações soberanas norte-americanas continua a ser a estratégia mais popular pelo segundo mês entre os gestores de fundos;

    2
    - Receios em relação à guerra comercial mantêm o 1.º lugar apesar de ter descido de 56% para 36%. Este risco permanece na liderança em 15 dos 17 inquéritos. Em segundo lugar, surgiu o risco de "ineficácia da política monetária";

    3
    - O sentimento entre os investidores melhorou porque reduziram o seu "cash" de 5,6% para 5,2%;

    4
    - 73% dos gestores de fundos do inquérito classificam o ciclo de negócios como um risco para a estabilidade do mercado financeiro, que está em máximos de 8 anos, com o índice PMI industrial em mínimos de 7 anos e as expectativas de uma queda de 1% no EPS global.

    5
  • Sector de luxo e companhias aéreas em alta
    Fonte: Bloomberg, Banco Invest
    EUR160719
    Estes são os principais destaques:

    • Burberry (BRBY LN): A marca de luxo inglesa apresentou um aumento de 4% nas vendas comparáveis para o 1.º trimestre de 2020 superando as previsões dos analistas de 2%. Neste 1.º trimestre, as vendas de retalho subiram 4% atingindo os £498 mn. A Burberry manteve as perspectivas para o ano fiscal de 2020.

    • Ryanair (RYA LN): A companhia aérea reduziu a sua expectativa de crescimento de tráfego no Verão, de 2020 de 7% para 3%, devido à proibição do uso dos aviões Boeing 737 MAX que se deverá prolongar até 2020. Este atraso está a impulsionar outras companhias aéreas europeias, uma vez que se espera que elimine a sobrecapacidade do mercado saturado de companhias aéreas europeias.

    • Bayer (BAYN GY): A empresa química alemã foi beneficiada pela decisão do juiz do tribunal de São Francisco de reduzir o montante de compensação da Bayer a uma vítima do produto Roundup de $80 mn para $25 mn.

    • Deutsche Bank (DBK GY): A agência de rating Standard & Poor’s confirmou a notação de longo prazo atribuída à instituição financeira alemã em BBB+, mantendo o seu “outlook” estável.

    • BMW (BMY GY): Goldmans Sachs retomou a cobertura da empresa com uma recomendação “Neutral” e um preço alvo de €65.

    • Osram (OSR GY): A proposta de compra da Osram pela AMS por €38,50 foi retirada, mantendo-se assim apenas a proposta da Bain e Carlyle de EUR 35. A Osram já tinha afirmado que não via grande probabilidade de a proposta da AMS se manter.

    • Rio Tinto (RIO LN): A segunda maior empresa mineira do mundo informou que os custos com a exploração de uma mina de cobre na Mongólia serão superiores ao previsto. 

    • Daimler (DAI GY): Goldmans Sach retomou a cobertura da empresa com uma recomendação “Sell” e um preço alvo de €42.

    • Renault (RNO FP): Goldmans Sachs retomou a cobertura da empresa com uma recomendação “Neutral” e um preço alvo de €59.


  • Mercados europeus abriram na linha de água aguardando vários discursos
    Fonte: Banco Invest, Bloomberg
    160719

    Os mercados europeus abriram na linha de água, no dia que decorre a Conferência "Bretton Woods": 75 anos depois" em Paris. Os investidores aguardam vários discursos, com destaque para Mark Carney, governador do Banco de Inglaterra, que é apontado como potencial candidato a suceder a Christine Lagarde no FMI. Jerome Powell, presidente da Reserva Federal também fará um discurso e outros responsáveis de topo, como o governador do Banco de França, Villeroy de Galhau, o ministro francês das Finanças, Bruno Le Maire, e o presidente do Banco Mundial, David Malpass.

    Na Ásia, o índice Nikkei 225 fechou a cair 0,64% e as praças chinesas encerraram mistas. O Banco da Austrália revelou nas actas da sua última reunião de política monetária que pretende reduzir as taxas se a situação macroeconómica do país persistir.  

    As principais bolsas norte-americanas encerraram em leve alta com o Citigroup a iniciar a época de apresentação de resultados da banca norte-americana com os seus resultados superando as expectativas dos analistas. Hoje será a vez do JPMorgan, Goldman Sachs e Wells Fargo, antes da abertura do mercado norte-americano.

    Dados Macroeconómicos:

     09h00: Balança Comercial (Mai)

     09h30: Taxa de Desemprego (Mai)

     10h00: Balança Comercial (Mai)

     10h00: Índice de Confiança ZEW (Jul)

     10h00: Inflação (Jun)

     13h30: Índice de Preços das Importações (Jun)

     13h30: Vendas a Retalho (Jun)

     14h15: Produção Industrial (Jun)

     14h15: Utilização de Capacidade Istalada (Jun)

     15h00: Índice Mercado Imobiliário NAHB (Jul)

     15h00: Stocks das Empresas (Mai)


    Eventos:

     Conferência "Bretton Woods": 75 anos depois" em Paris

     08h00: Discurso de Villeroy, membro do BCE

     Discursos de vários membros da Fed: Bostic (13h15), Bowman (13h15), Kaplan (17h20), Powell (18h00) e Evans (20h30)

      Comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa

     CMVM divulga dos indicadores estatísticos de fundos mobiliários (mensal)


    Resultados:

     Johnson & Johnson (11h45), JPMorgan Chase & Co (12h00), Goldman Sachs (12h30), Wells Fargo (13h00), CSX (DF), United Airlines Holdings, (DF), Cintas (DF)


    Estes são os principais destaques da imprensa hoje:

     Autoeuropa garante em 6 meses segundo melhor ano de sempre

     Mota-Engil na corrida às PPP da Saúde na Colômbia

     William de Vijlder, economista-chefe do BNP Paribas: "O que Portugal fez e onde está pode servir de inspiração para a Zona Euro"

     BCE já deu aval à reestruturação do Deutsche Bank. Bruxelas nada diz

     Relatório da CGD acusa Banco de Portugal e Governo de falta de acção

     Emissão de OTRV em 2019 é um cenário em aberto

     Espanha ainda sem governo entra num beco sem saída

     Inquérito à Caixa visa Berardo, Santos Ferreira e BdP

     Inspecções às empresas detectam aumento de 60% nos salários em atraso

  • Poderá beneficiar com impulso da Fed para acelerar inflação
    Fonte: Bloomberg
    ouro

    O ouro tem vindo a reafirmar o seu papel em relação às taxas reais, por isso, deverá beneficiar com o impulso da Fed para acelerar a inflação.

    Existe uma relação inversa entre o ouro e a taxa de juro real. Neste momento, a correlação negativa entre as obrigações soberanas a 5 anos, ajustadas à inflação e o ouro está em máximos de sempre.

    Um corte nas taxas de juro dos Estado Unidos seria uma tentativa pela Fed para acelerar o ritmo do aumento de preços que poderá criar as condições perfeitas para o ouro valorizar ainda mais.
  • A "querida" de Wall Street
    Fonte: Bloomberg
    earnings-001
    Citigroup foi um dos bancos mais atingidos nos EUA durante a crise financeira de 2008 mas é o banco que mais subiu em Wall Street este ano. As acções do Citigroup subiram 37,86% em 2019, superando a rendibilidade dos seus rivais: Goldman Sachs (+28,07%), Bank of America (19,52%), JPMorgan Chase (+18,11%), Morgan Stanley (13,17%) e Wells Fargo (2,78%).

    sg2019071550045
    O Citigroup apresentou hoje um lucro no 2º trimestre de $1,83 por acção, acima dos $1,80 esperados pelos analistas. As receitas foram $18,76 mil mn também superando as previsões de $18,5 mil mn devido ao ganho de $350 mn resultantes do IPO Tradeweb.

    As acções sobem 1% em pré-mercado.
  • "Prime day": Analistas esperam dia histórico de vendas
    Fonte: PCMag
    prime

    O "Prime Day" da Amazon chega hoje e os analistas esperam que este seja um dia histórico de vendas para a Amazon, superando a "Black Friday" e o próprio "Prime Day" do ano passado, gerando entre $5 mil mn a $6 mil mn.

    Pela primeira vez este evento dura 48 horas. Embora o "Prime Day" não seja o dia de vendas mais lucrativo da empresa (que é normalmente a Cyber Monday), é um importante meio para obter novos membros Prime. Cerca de 63 milhões de residências norte-americanas estão inscritas no Prime, um aumento de quase 7% ao ano.

    primeday