FIQUE A PARAcompanhe os destaques e principais tendências do dia que influenciam as bolsas em todo o mundo.
Outlook Análise Técnica Research Investimento Educação
30.07.2021 16:39
Análise Técnica
Update: S&P500
S&P500 @ 4398   Desde a última nota, o índice não mais colocou em causa a sustentação acima da exponencial dos 50 períodos. Novo teste hoje na abertura, depois de marcar novas divergências negativas. Sugerimos redobradas cautelas se o preço sustentar abaixo da referência referida (agora nos 4393). O “gap down” de abertura de hoje, na mesma zona do anterior (assinalámos ambos com setas a amarelo), reforça a importância desta zona do ponto de vista técnico. Assim e para o curto prazo, iremos monitorizar o fecho de ontem (4419) como resistência e os 4393 como suporte. Análise Anterior: S&P500 @ 4358.69 (Fecho de quarta-feira)   O índice recuperou a totalidade da queda num ápice e já está também acima dos 4230 (depois de um 1º teste com sucesso à exponencial dos 50 dias). O gráfico horário mostra sinais que sugerem uma nova inversão em baixa. Esta ideia ganha forma com a inversão do MACD e/ou a quebra dos 4230/40 – Tentaremos elaborar um plano de entrada neste caso. Se o padrão de subida sobreviver a mais este aviso, como objectivos em alta temos os máximos (4392.6) e em seguida os 4491. Análise Anterior: S&P500 @ 4327 (Fecho de sexta-feira)   O índice fechou a semana na mesma zona onde tinha terminado a anterior (última nota). Conforme definido nessa altura, os 4280 são o 1º suporte a monitorizar, logo abaixo, a exponencial dos 50 dias (hoje nos 4247). Abaixo dos 4230 poderemos ter uma inversão de tendência importante. Mantemos para já um bias cauteloso e temos como referências técnicas numa óptica de “trading” os 4280/5, depois os 4315 e por fim os 4327 (como resistências/pontos de venda). A exponencial dos 200 dias é o suporte que irá atrair o preço se o índice não conseguir sustentar acima da exponencial dos 50 dias (mais uma vez, para hoje nos 4247). Análise Anterior: S&P500 @ 4320.82 (Fecho de quinta-feira)   A sessão de ontem trouxe mais um teste à exponenciais de curto prazo e novo aumento de volume. Os 4280 são o 1º suporte a monitorizar para investidores mais agressivos. Destacámos no gráfico diário os testes à exponencial dos 50 dias, primeira zona que iremos monitorizar com vista à elaboração de um plano (hoje nos 4215). Continuamos com um bias muito cauteloso até uma visita à exponencial dos 200 dias, não descartando a possibilidade de uma entrada logo na exponencial dos 50 dias. Análise Anterior: S&P500 @ 4219 Desde a nossa última nota (e último sinal de venda no gráfico horário), podemos escrever que “pouco se passou” no índices, continuando a abordagem componente a componente a fazer mais sentido. Fazemos de qualquer forma notar a incapacidade do preço para deixar para trás esta zona e mantêm-se os sinais de alarme no volume e no “momentum”. Temos como referência para o curto prazo os 4180 e os 4240. O índice abriu hoje com mais um forte “gap up”, padrão que tem atraído vendedores e volume. Especial atenção à referência intermédia nos 4220. Continuamos com um “bias” neutro/negativo. Análise Anterior: S&P500 @ 4185 A quebra em fecho horário dos 4188 está feita (nos 4185). O plano sugerido tem como objectivos os 3981 e como “stop” os 4219. Se o índice quebrar os 4130 em negociação, fará sentido alterar o “stop” para o “breakeven”.   Análise Anterior: S&P500 @ 4200 “Os mínimos são eventos e os topos são processos”. Esta máxima tem décadas e traduz de forma muito intuitiva o que é habitual ver nos índices quando “olhamos para trás”. Para além do fecho record do final de Abril/início de Maio, o gráfico semanal apresenta 5 fechos consecutivos no mesmo intervalo (inferior a 1%). Sabemos que tem entrado dinheiro (de retalho) em níveis nunca antes vistos nos fundos norte-americanos e sabemos que a complacência, não estando em máximos, apresenta níveis muito preocupantes para os investidores de prazo mais alargado. O nosso “bias” continua extremamente cauteloso e só deixará de o ser após uma correcção no gráfico diário, preferencialmente após um teste à exponencial dos 200 dias que é visitada praticamente todos os anos (faz sentido relembrar que a dita referência está hoje nos 3762 – mais de 10% abaixo dos níveis de hoje). É importante referir também que estamos apenas a esperar uma correcção de curto prazo, perfeitamente recorrente, mesmo nos “bull markets” mais agressivos. Tecnicamente e pensado apenas no que o comportamento histórico do preço nos “ensina”, olhamos agora apenas para baixo. Os volumes de todas as recuperações têm sido muito fracos, a mostrar uma participação cada vez menor. Alertamos também para o facto de o preço ter claudicado na extensão de Fibonacci de 123.6% no último máximo (4236). Na última nota destacámos os 4188 como o valor que define o nosso posicionamento numa óptica de “trading” de curto prazo, pelo que o plano de hoje terá essa referência como apoio. Sugerimos então uma entrada com um fecho horário abaixo dos 4188, o “stop” será colocado 5 pontos acima do máximo feito entretanto e como o objectivo técnico no gráfico diário dista bastante dos valores actuais, sugerimos um alvo que corresponda a 6 vezes a distância entre o ponto de entrada e o “stop” definido. Mais uma vez e porque o padrão de alta ainda não está invalidado, apenas 1/32 do risco máximo.   Análise Anterior: S&P500 @ 4127.84 - fecho de terça-feira O S&P500 testou o “gap” deixado nos 4188 e reagiu em baixa, com o gráfico horário a confirmar novo sinal de venda nos 4148. O padrão de alta está novamente em dúvida, mesmo após a reacção positiva à exponencial dos 50 dias (o índice reconquistou esta zona após um fecho abaixo, como tem sido hábito), uma vez que desenhou um “lower high” e não conseguiu suplantar os 4188. As próximas sessões irão decerto clarificar se os vários sinais de cansaço dos indicadores terão finalmente implicações no comportamento do preço. Zonas de referência para “trading” no curto prazo 4070, 4110/20, depois os 4150 e por fim o intervalo 4180/90.   Análise Anterior: S&P500 @ 4106 Fazemos notar, mais uma vez, a importância da zona dos 4120 como suporte. Abaixo desta referência temos a exponencial dos 50 dias nos 4070, e a dos 200 nos 3731. Acima dos 4120 o padrão de alta continua intacto. Análise Anterior: S&P500 @ 4122 Também o S&P500 desenhou uma “bull trap” acima da nossa referência de curto prazo, fazendo disparar no breakeven o “stop” para o plano sugerido na última nota. O “gap down” de hoje, na mesma zona do anterior (que fizemos notar na última nota), reforça a nossa de referência para as próximas sessões, agora o intervalo 4188/93. Abaixo desta zona mantemos um bias negativo no curto prazo. Continuamos a ver os 4120 como o suporte que pode adiar uma correcção mais prolongada. Veremos a próxima recuperação como uma oportunidade de venda desde que o preço não reconquiste os 4193. Análise Anterior: S&P500 @ 4163.92 (fecho de terça-feira) O S&P500 abriu ontem com um forte “gap down” que é agora a nossa referência para o curto prazo. Mantemos o objectivo defendido para esta correcção, mas para já sugerimos a alteração do “stop” para o “breakeven”.   Análise Anterior: S&P500 @ 4195 A abertura de hoje aponta para um “gap” de exaustão, mais uma vez com divergências negativas nos indicadores que utilizamos. A tendência de alta continua a ditar as regras mas o sentimento eufórico, aliado às condições referidas, permite a elaboração de um plano com objectivo na exponencial dos 50 dias (hoje nos 4024). Sugerimos então uma entrada nos níveis actuais, 4195, com objectivo nos 4039 (a exponencial dos 50 dias tem inclinação positiva) e como “stop”, os 4221 (rácio retorno/risco de 6).  “Faz sentido assumir apenas 1/16 do risco máximo”   Análise Anterior: S&P500 @ 4165 É evidente a caminhada ascendente deste o último “breakout” (e nota), sempre suportada duas exponenciais de curto prazo no gráfico horário. O índice está a testar a dos 21 períodos, nos 4165. Logo abaixo temos uma importante zona de suporte, o intervalo 4137/50). Para manter o padrão actual, o S&P500 deve aguentar estas referências. Faremos novo “update” se o índice quebrar os 4137. Análise Anterior: S&P500 @ 4004 O índice abriu hoje com mais um forte “gap up”, desta vez claramente acima dos intervalo 3975/80 que travou o índice no último mês. Os sinais de esgotamento não foram debelados, o sentimento continua a denotar euforia (o que obriga a cautelas), mas o “preço é rei”. Acima dos 3975 o bias é positivo e o movimento de alta deve continuar. O fecho de hoje é importante para a confirmação de novo “breakout”. O índice continua sem fazer uma correcção que permita elaborar um plano de entrada, pelo que continuamos a defender uma abordagem componente a componente.   Análise Anterior:S&P500 @ 3909.52 (Fecho de 5ª feira) Depois de um fecho na zona do 1º suporte (3875/99), o índice foi testar a exponencial dos 50 dias, o suporte seguinte referido na última nota. Os movimento mais bruscos costumam ser desenhados contra a tendência vigente e mais uma vez o índice prepara-se para confirmar um sinal de compra no MACD horário, com o preço já muito distante de qualquer zona técnica que permita a elaboração de um plano. Continuamos a alertar para a perda de “momentum” e volume nos movimentos de alta, pelo que vamos continuar com um “bias” muito neutro e continuamos para já a defender e a preferir a abordagem aos seus componentes. Para a continuação desta toada de alta, “basta” que sustente acima dos 3850, mas começa a ser importante que deixe para trás o intervalo 3950/80…   Análise Anterior:S&P500 @ 3940.56 (Fecho de 2ª feira) O índice S&P500 reconquistou as exponenciais de curto prazo com dois “gap up” muito fortes (setas amarelas), continuando a denotar pouco “momentum” nos movimentos ascendentes. A divergência negativa no gráfico diário agrava-se desde a zona dos 3700 pontos, no que se apresenta como o 1º objectivo técnico para uma correcção de curto prazo. Continuamos a fazer notar a distância para a exponencial dos 200 dias, hoje na zona dos 3563. Como referências técnicas para o curto prazo, temos os 3950 como resistência e o intervalo 3875/99 como suporte, seguido da exponencial dos 50 dias (hoje nos 3851). Análise Anterior: S&P500 @ 3765 A abertura positiva de segunda-feira depois da aprovação de mais estímulos causou apenas algum “ruído” técnico no curto prazo, com o índice a voltar rapidamente e com volume, a testar a zona dos 3802 suporte seguinte no gráfico, nas imediações da exponencial dos 50 dias. A quebra trouxe de imediato as zonas seguintes (3767  e 3755), com o índice a fechar ontem nos 3768. Sendo sexta-feira, retomamos o gráfico semanal e a linha de tendência superior do “megafone” que o índice desenhou neste período temporal de análise. O preço está novamente a estar essa zona. Um alerta para a inversão do MACD semanal - destacámos os anteriores sinais.     A figura no gráfico semanal merece toda a nossa atenção, mas para já vamos ficar pela análise à zona dos 3811/20 (o índice esteve lá na recuperação após os números das 13h30). Não reconquistando esta zona e principalmente não aguentando os 3755, devemos esperar um teste aos mínimos do ano. Faremos novo update se o preço conseguir quebrar uma destas zonas (3662 ou 3820). Relembramos também a distância para a exponencial dos 200 dias, hoje nos 3520.       Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
29.07.2021 15:31
Análise Técnica
Update: Prata
Prata @ 25.55 A quebrou a exponencial dos 200 dias e sustentou, com diferentes divergência positivas, junto aos mínimos dos últimos meses, sugerindo uma “bear trap”. A confirmar-se este cenário (é preciso que o preço sustente acima da exponencial referida), podemos defender novo movimento ascendente até ao intervalo 27.5/28.5. Abaixo dos 23.5 teremos de reavaliar.       Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
22.07.2021 16:23
Análise Técnica
Update: S&P500
S&P500 @ 4358.69 (Fecho de quarta-feira)   O índice recuperou a totalidade da queda num ápice e já está também acima dos 4230 (depois de um 1º teste com sucesso à exponencial dos 50 dias). O gráfico horário mostra sinais que sugerem uma nova inversão em baixa. Esta ideia ganha forma com a inversão do MACD e/ou a quebra dos 4230/40 – Tentaremos elaborar um plano de entrada neste caso. Se o padrão de subida sobreviver a mais este aviso, como objectivos em alta temos os máximos (4392.6) e em seguida os 4491. Análise Anterior: S&P500 @ 4327 (Fecho de sexta-feira)   O índice fechou a semana na mesma zona onde tinha terminado a anterior (última nota). Conforme definido nessa altura, os 4280 são o 1º suporte a monitorizar, logo abaixo, a exponencial dos 50 dias (hoje nos 4247). Abaixo dos 4230 poderemos ter uma inversão de tendência importante. Mantemos para já um bias cauteloso e temos como referências técnicas numa óptica de “trading” os 4280/5, depois os 4315 e por fim os 4327 (como resistências/pontos de venda). A exponencial dos 200 dias é o suporte que irá atrair o preço se o índice não conseguir sustentar acima da exponencial dos 50 dias (mais uma vez, para hoje nos 4247). Análise Anterior: S&P500 @ 4320.82 (Fecho de quinta-feira)   A sessão de ontem trouxe mais um teste à exponenciais de curto prazo e novo aumento de volume. Os 4280 são o 1º suporte a monitorizar para investidores mais agressivos. Destacámos no gráfico diário os testes à exponencial dos 50 dias, primeira zona que iremos monitorizar com vista à elaboração de um plano (hoje nos 4215). Continuamos com um bias muito cauteloso até uma visita à exponencial dos 200 dias, não descartando a possibilidade de uma entrada logo na exponencial dos 50 dias. Análise Anterior: S&P500 @ 4219 Desde a nossa última nota (e último sinal de venda no gráfico horário), podemos escrever que “pouco se passou” no índices, continuando a abordagem componente a componente a fazer mais sentido. Fazemos de qualquer forma notar a incapacidade do preço para deixar para trás esta zona e mantêm-se os sinais de alarme no volume e no “momentum”. Temos como referência para o curto prazo os 4180 e os 4240. O índice abriu hoje com mais um forte “gap up”, padrão que tem atraído vendedores e volume. Especial atenção à referência intermédia nos 4220. Continuamos com um “bias” neutro/negativo. Análise Anterior: S&P500 @ 4185 A quebra em fecho horário dos 4188 está feita (nos 4185). O plano sugerido tem como objectivos os 3981 e como “stop” os 4219. Se o índice quebrar os 4130 em negociação, fará sentido alterar o “stop” para o “breakeven”.   Análise Anterior: S&P500 @ 4200 “Os mínimos são eventos e os topos são processos”. Esta máxima tem décadas e traduz de forma muito intuitiva o que é habitual ver nos índices quando “olhamos para trás”. Para além do fecho record do final de Abril/início de Maio, o gráfico semanal apresenta 5 fechos consecutivos no mesmo intervalo (inferior a 1%). Sabemos que tem entrado dinheiro (de retalho) em níveis nunca antes vistos nos fundos norte-americanos e sabemos que a complacência, não estando em máximos, apresenta níveis muito preocupantes para os investidores de prazo mais alargado. O nosso “bias” continua extremamente cauteloso e só deixará de o ser após uma correcção no gráfico diário, preferencialmente após um teste à exponencial dos 200 dias que é visitada praticamente todos os anos (faz sentido relembrar que a dita referência está hoje nos 3762 – mais de 10% abaixo dos níveis de hoje). É importante referir também que estamos apenas a esperar uma correcção de curto prazo, perfeitamente recorrente, mesmo nos “bull markets” mais agressivos. Tecnicamente e pensado apenas no que o comportamento histórico do preço nos “ensina”, olhamos agora apenas para baixo. Os volumes de todas as recuperações têm sido muito fracos, a mostrar uma participação cada vez menor. Alertamos também para o facto de o preço ter claudicado na extensão de Fibonacci de 123.6% no último máximo (4236). Na última nota destacámos os 4188 como o valor que define o nosso posicionamento numa óptica de “trading” de curto prazo, pelo que o plano de hoje terá essa referência como apoio. Sugerimos então uma entrada com um fecho horário abaixo dos 4188, o “stop” será colocado 5 pontos acima do máximo feito entretanto e como o objectivo técnico no gráfico diário dista bastante dos valores actuais, sugerimos um alvo que corresponda a 6 vezes a distância entre o ponto de entrada e o “stop” definido. Mais uma vez e porque o padrão de alta ainda não está invalidado, apenas 1/32 do risco máximo.   Análise Anterior: S&P500 @ 4127.84 - fecho de terça-feira O S&P500 testou o “gap” deixado nos 4188 e reagiu em baixa, com o gráfico horário a confirmar novo sinal de venda nos 4148. O padrão de alta está novamente em dúvida, mesmo após a reacção positiva à exponencial dos 50 dias (o índice reconquistou esta zona após um fecho abaixo, como tem sido hábito), uma vez que desenhou um “lower high” e não conseguiu suplantar os 4188. As próximas sessões irão decerto clarificar se os vários sinais de cansaço dos indicadores terão finalmente implicações no comportamento do preço. Zonas de referência para “trading” no curto prazo 4070, 4110/20, depois os 4150 e por fim o intervalo 4180/90.   Análise Anterior: S&P500 @ 4106 Fazemos notar, mais uma vez, a importância da zona dos 4120 como suporte. Abaixo desta referência temos a exponencial dos 50 dias nos 4070, e a dos 200 nos 3731. Acima dos 4120 o padrão de alta continua intacto. Análise Anterior: S&P500 @ 4122 Também o S&P500 desenhou uma “bull trap” acima da nossa referência de curto prazo, fazendo disparar no breakeven o “stop” para o plano sugerido na última nota. O “gap down” de hoje, na mesma zona do anterior (que fizemos notar na última nota), reforça a nossa de referência para as próximas sessões, agora o intervalo 4188/93. Abaixo desta zona mantemos um bias negativo no curto prazo. Continuamos a ver os 4120 como o suporte que pode adiar uma correcção mais prolongada. Veremos a próxima recuperação como uma oportunidade de venda desde que o preço não reconquiste os 4193. Análise Anterior: S&P500 @ 4163.92 (fecho de terça-feira) O S&P500 abriu ontem com um forte “gap down” que é agora a nossa referência para o curto prazo. Mantemos o objectivo defendido para esta correcção, mas para já sugerimos a alteração do “stop” para o “breakeven”.   Análise Anterior: S&P500 @ 4195 A abertura de hoje aponta para um “gap” de exaustão, mais uma vez com divergências negativas nos indicadores que utilizamos. A tendência de alta continua a ditar as regras mas o sentimento eufórico, aliado às condições referidas, permite a elaboração de um plano com objectivo na exponencial dos 50 dias (hoje nos 4024). Sugerimos então uma entrada nos níveis actuais, 4195, com objectivo nos 4039 (a exponencial dos 50 dias tem inclinação positiva) e como “stop”, os 4221 (rácio retorno/risco de 6).  “Faz sentido assumir apenas 1/16 do risco máximo”   Análise Anterior: S&P500 @ 4165 É evidente a caminhada ascendente deste o último “breakout” (e nota), sempre suportada duas exponenciais de curto prazo no gráfico horário. O índice está a testar a dos 21 períodos, nos 4165. Logo abaixo temos uma importante zona de suporte, o intervalo 4137/50). Para manter o padrão actual, o S&P500 deve aguentar estas referências. Faremos novo “update” se o índice quebrar os 4137. Análise Anterior: S&P500 @ 4004 O índice abriu hoje com mais um forte “gap up”, desta vez claramente acima dos intervalo 3975/80 que travou o índice no último mês. Os sinais de esgotamento não foram debelados, o sentimento continua a denotar euforia (o que obriga a cautelas), mas o “preço é rei”. Acima dos 3975 o bias é positivo e o movimento de alta deve continuar. O fecho de hoje é importante para a confirmação de novo “breakout”. O índice continua sem fazer uma correcção que permita elaborar um plano de entrada, pelo que continuamos a defender uma abordagem componente a componente.   Análise Anterior:S&P500 @ 3909.52 (Fecho de 5ª feira) Depois de um fecho na zona do 1º suporte (3875/99), o índice foi testar a exponencial dos 50 dias, o suporte seguinte referido na última nota. Os movimento mais bruscos costumam ser desenhados contra a tendência vigente e mais uma vez o índice prepara-se para confirmar um sinal de compra no MACD horário, com o preço já muito distante de qualquer zona técnica que permita a elaboração de um plano. Continuamos a alertar para a perda de “momentum” e volume nos movimentos de alta, pelo que vamos continuar com um “bias” muito neutro e continuamos para já a defender e a preferir a abordagem aos seus componentes. Para a continuação desta toada de alta, “basta” que sustente acima dos 3850, mas começa a ser importante que deixe para trás o intervalo 3950/80…   Análise Anterior:S&P500 @ 3940.56 (Fecho de 2ª feira) O índice S&P500 reconquistou as exponenciais de curto prazo com dois “gap up” muito fortes (setas amarelas), continuando a denotar pouco “momentum” nos movimentos ascendentes. A divergência negativa no gráfico diário agrava-se desde a zona dos 3700 pontos, no que se apresenta como o 1º objectivo técnico para uma correcção de curto prazo. Continuamos a fazer notar a distância para a exponencial dos 200 dias, hoje na zona dos 3563. Como referências técnicas para o curto prazo, temos os 3950 como resistência e o intervalo 3875/99 como suporte, seguido da exponencial dos 50 dias (hoje nos 3851). Análise Anterior: S&P500 @ 3765 A abertura positiva de segunda-feira depois da aprovação de mais estímulos causou apenas algum “ruído” técnico no curto prazo, com o índice a voltar rapidamente e com volume, a testar a zona dos 3802 suporte seguinte no gráfico, nas imediações da exponencial dos 50 dias. A quebra trouxe de imediato as zonas seguintes (3767  e 3755), com o índice a fechar ontem nos 3768. Sendo sexta-feira, retomamos o gráfico semanal e a linha de tendência superior do “megafone” que o índice desenhou neste período temporal de análise. O preço está novamente a estar essa zona. Um alerta para a inversão do MACD semanal - destacámos os anteriores sinais.     A figura no gráfico semanal merece toda a nossa atenção, mas para já vamos ficar pela análise à zona dos 3811/20 (o índice esteve lá na recuperação após os números das 13h30). Não reconquistando esta zona e principalmente não aguentando os 3755, devemos esperar um teste aos mínimos do ano. Faremos novo update se o preço conseguir quebrar uma destas zonas (3662 ou 3820). Relembramos também a distância para a exponencial dos 200 dias, hoje nos 3520.       Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
19.07.2021 16:20
Análise Técnica
Update: EUROSTOXX50
Eurostoxx50 @ 3926 O teste esperado aos 3920 está feito. O preço e os indicadores sugeriam cautelas, as duas últimas sessões confirmam claramente a nossa expectativa. Numa óptica de “trading”, é importante agora identificar se o que nos espera é uma retoma da tendência que vigorou até Junho, ou vamos finalmente e como habitualmente, fazer nova visita (no curto prazo) à exponencial dos 200 dias. O “gap down” de hoje é a nossa referência para as próximas semanas. Análise Anterior: Eurostoxx50 @ 4062 Um índice parou a recuperação na zona que definimos como resistência, desenhando algumas divergências negativas. A sustentação abaixo dos 4040 refoçaria o nosso bias cauteloso, sugeriria novo teste aos 3920 e obrigaria a novo “update”. Análise Anterior: Eurostoxx50 @4023 O índice Europeu ainda não recuperou daquela sexta-feira com fecho nos 4083, estando inclusive a negociar abaixo da exponencial dos 50 dias depois do primeiro fecho abaixo desta referência desde Janeiro… O nosso bias continua cauteloso/negativo e defendemos que a sustentação abaixo da exponencial dos 50 dias deverá acabar por implicar um teste à dos 200.  Acima dos 4080/100 assumimos alguma neutralidade. Abaixo dos 4040 devemos ter novo teste aos 3920. Análise Anterior: Eurostoxx50 @4083.37 (fecho de sexta-feira) O índice marcou novos máximos mas bastou uma sessão para o colocar novamente na importante zona dos 4080 e anular as últimas 10 sessões! O nosso “bias continua negativo.     O gráfico horário desenhou nova divergência negativa e fechou a sessão em cima da expoencial dos 200 períodos, obrigando a alguma atenção nas próximas horas. A quebra desta referência deve trazer finalmente o teste aos 3920. Suporte intermédio no intervalo 4020/40.   Análise Anterior: Eurostoxx50 @ 4090 O índice está a testar o 1º suporte na exponencial das 50 horas (1º suporte). Um fecho horário abaixo dos 4087 ou a quebra em negociação dos 4080 obrigaria a : - Alterar o “stop” do 1º plano para o “breakeven” - Alterar o “stop do 2º plano para os 4124 (reduzindo para metade o risco assumido). Análise Anterior: Eurostoxx50 @ 4104 O “grinding higher” continua sem recuos, com as divergências a acumularem-se (o mercado está claramente à espera do BCE e dos dados da inflação nos EUA na próxima quinta-feira). O sentimento e o momentum são o pilar que suporta o nosso bias”, mas o padrão do preço obriga a ter a nossa expectativa como de alto risco no curto prazo. Insistimos na ideia que temos defendido: “os mínimos são eventos e os topos são processos”. A exponencial dos 200 dias, referência regularmente visitada, está na zona dos 3700 e é esse o nosso objectivo para uma correcção de curto prazo. A zona dos 4040, anterior resistência de curto prazo, permanece como valor a ter em conta num movimento de curto prazo, pelo que sugerimos duas ideias, com entrada no nível actual do índice (4104): - Venda com objectivo nos 4044 e com “stop” @ 4124 (rácio retorno/risco de 3) - Venda com objectivo nos 3704 e um “stop” @ 4144 (rácio retorno/risco de 10) Lembramos que o padrão de alta, mesmo com vários sinais de alarme técnicos, ainda vigora, pelo que sugerimos apenas 1/32 do risco máximo para os dois planos. Análise Anterior: Eurostoxx50 @4032 O índice continua incapaz de suplantar de forma consistente a zona de resistência que temos monitorizado (4040). Assinalámos a entrada sugerida ontem e reiteramos o objectivo nos 3918. Se o Eurostoxx50 negociar abaixo dos 3999 sugerimos uma alteração do “stop” para o “breakeven” (entrada @ 4038).     Análise Anterior: Eurostoxx50 @4048 Mais uma abertura em “gap up” na zona de resistência, o que é o mesmo que dizer, nova tentativa de “breakout” sem volume. A participação dos intervenientes tem sido cada vez menor, mas não podemos descartar a possibilidade de o preço conseguir suplantar esta zona. Por outro lado, a incapacidade para mais uma vez não aguentar os 4040, terá o nosso total interesse numa óptica de “trading”, pelo que sugerimos um “trigger” de venda nos 4038, com um “stop” nos 4058 e como objectivo, os 3918 (rácio retorno/risco de 6). Continuamos com apenas 1/32 do risco máximo.     Análise Anterior: Eurostoxx50 @3944   Não esperávamos novo “gap” de exaustão na mesma zona e novos máximos (por 3 pontos), mas a reacção posterior reforça a importância da resistência e a nossa expectativa. O cenário é claramente mais “bearish” neste momento e continuamos a ter como válidos os objectivos em baixa. Mais uma vez iremos esperar por uma recuperação para elaborar novo plano de entrada. A quebra da zona dos mínimos anteriores (junto aos 3860) pode obrigar a reavaliar os gráficos de prazo mais alargado.     Análise Anterior: Eurostoxx50 @4012.5   O índice voltou a aguentar na zona da exponencial dos 50 dias e em duas sessões encostou à zona de máximos do último mês, mantendo os sinais de alarme que levaram à sugestão dos planos anteriores. O gráfico horário volta a mostrar um sinal de venda, reforçando a importância desta resistência, pelo que sugerimos nova entradanos níveis actuais (4012.5), com um “stop” nos 4042.5 e como objectivo os 3832.5 (rácio retorno/risco de 8). Vamos para já manter apenas 1/32 do risco máximo.     Análise Anterior: Eurostoxx50 @3955   O final da semana passada trouxe novo “rally”, mais uma vez com fraco volume e momentum, que de qualquer forma acabaram por atingir os nossos “stops” (no breakeven). Tecnicamente o nosso cenário “bearish” continua válido e até sai reforçado, mas obriga agora a esperar por nova recuperação até uma zona de resistência para a elaboração de um novo plano. Lembramos que o 1º objectivo no gráfico diário está abaixo dos 3900.     Análise Anterior: Eurostoxx50 @3970   O índice acabou mesmo por recuar, tendo já negociado abaixo dos mínimos relativos anteriores neste período temporal de análise. Sugerimos para já a alteração dos dois “stops” para o “breakeven” e se o índice quebrar os 3950, nova alteração do “stop” do Plano 1 para os 3974. Se continuar a correcção e quebrar os mínimos de ontem (3918), nova alteração para os 3954. Mantemos os objectivos para os dois planos.     Análise Anterior: Eurostoxx50 @ 4014   O padrão de alta do preço não sofre contestação, pelo que a ideia que vamos sugerir em seguida envolve riscos acrescidos por ser contrária à tendência dominante. O gráfico diário pode estar a desenhar um “lower high” depois de vincar novas divergências negativas nos últimos máximos.     Olhando para o gráfico horário, constatamos que também neste período temporal o preço está a desenhar divergências negativas. Sugerimos então dois planos:   1 – Entrada nos níveis actuais (4014) com um “stop” @ 4034 e como objectivo os 3864 (na zona da exponencial dos 50 dias) – Rácio retorno/risco de 7.5 2 – Entrada nos níveis actuais (4014), com um “stop” @ 4064 e como objectivo os 3614 (acima da exponencial dos 200 dias) – Rácio retorno/risco de 8.   Para qualquer um dos planos defendemos apenas 1/32 do risco máximo   Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
19.07.2021 16:07
Análise Técnica
Update: S&P500
S&P500 @ 4327 (Fecho de sexta-feira)   O índice fechou a semana na mesma zona onde tinha terminado a anterior (última nota). Conforme definido nessa altura, os 4280 são o 1º suporte a monitorizar, logo abaixo, a exponencial dos 50 dias (hoje nos 4247). Abaixo dos 4230 poderemos ter uma inversão de tendência importante. Mantemos para já um bias cauteloso e temos como referências técnicas numa óptica de “trading” os 4280/5, depois os 4315 e por fim os 4327 (como resistências/pontos de venda). A exponencial dos 200 dias é o suporte que irá atrair o preço se o índice não conseguir sustentar acima da exponencial dos 50 dias (mais uma vez, para hoje nos 4247). Análise Anterior: S&P500 @ 4320.82 (Fecho de quinta-feira)   A sessão de ontem trouxe mais um teste à exponenciais de curto prazo e novo aumento de volume. Os 4280 são o 1º suporte a monitorizar para investidores mais agressivos. Destacámos no gráfico diário os testes à exponencial dos 50 dias, primeira zona que iremos monitorizar com vista à elaboração de um plano (hoje nos 4215). Continuamos com um bias muito cauteloso até uma visita à exponencial dos 200 dias, não descartando a possibilidade de uma entrada logo na exponencial dos 50 dias. Análise Anterior: S&P500 @ 4219 Desde a nossa última nota (e último sinal de venda no gráfico horário), podemos escrever que “pouco se passou” no índices, continuando a abordagem componente a componente a fazer mais sentido. Fazemos de qualquer forma notar a incapacidade do preço para deixar para trás esta zona e mantêm-se os sinais de alarme no volume e no “momentum”. Temos como referência para o curto prazo os 4180 e os 4240. O índice abriu hoje com mais um forte “gap up”, padrão que tem atraído vendedores e volume. Especial atenção à referência intermédia nos 4220. Continuamos com um “bias” neutro/negativo. Análise Anterior: S&P500 @ 4185 A quebra em fecho horário dos 4188 está feita (nos 4185). O plano sugerido tem como objectivos os 3981 e como “stop” os 4219. Se o índice quebrar os 4130 em negociação, fará sentido alterar o “stop” para o “breakeven”.   Análise Anterior: S&P500 @ 4200 “Os mínimos são eventos e os topos são processos”. Esta máxima tem décadas e traduz de forma muito intuitiva o que é habitual ver nos índices quando “olhamos para trás”. Para além do fecho record do final de Abril/início de Maio, o gráfico semanal apresenta 5 fechos consecutivos no mesmo intervalo (inferior a 1%). Sabemos que tem entrado dinheiro (de retalho) em níveis nunca antes vistos nos fundos norte-americanos e sabemos que a complacência, não estando em máximos, apresenta níveis muito preocupantes para os investidores de prazo mais alargado. O nosso “bias” continua extremamente cauteloso e só deixará de o ser após uma correcção no gráfico diário, preferencialmente após um teste à exponencial dos 200 dias que é visitada praticamente todos os anos (faz sentido relembrar que a dita referência está hoje nos 3762 – mais de 10% abaixo dos níveis de hoje). É importante referir também que estamos apenas a esperar uma correcção de curto prazo, perfeitamente recorrente, mesmo nos “bull markets” mais agressivos. Tecnicamente e pensado apenas no que o comportamento histórico do preço nos “ensina”, olhamos agora apenas para baixo. Os volumes de todas as recuperações têm sido muito fracos, a mostrar uma participação cada vez menor. Alertamos também para o facto de o preço ter claudicado na extensão de Fibonacci de 123.6% no último máximo (4236). Na última nota destacámos os 4188 como o valor que define o nosso posicionamento numa óptica de “trading” de curto prazo, pelo que o plano de hoje terá essa referência como apoio. Sugerimos então uma entrada com um fecho horário abaixo dos 4188, o “stop” será colocado 5 pontos acima do máximo feito entretanto e como o objectivo técnico no gráfico diário dista bastante dos valores actuais, sugerimos um alvo que corresponda a 6 vezes a distância entre o ponto de entrada e o “stop” definido. Mais uma vez e porque o padrão de alta ainda não está invalidado, apenas 1/32 do risco máximo.   Análise Anterior: S&P500 @ 4127.84 - fecho de terça-feira O S&P500 testou o “gap” deixado nos 4188 e reagiu em baixa, com o gráfico horário a confirmar novo sinal de venda nos 4148. O padrão de alta está novamente em dúvida, mesmo após a reacção positiva à exponencial dos 50 dias (o índice reconquistou esta zona após um fecho abaixo, como tem sido hábito), uma vez que desenhou um “lower high” e não conseguiu suplantar os 4188. As próximas sessões irão decerto clarificar se os vários sinais de cansaço dos indicadores terão finalmente implicações no comportamento do preço. Zonas de referência para “trading” no curto prazo 4070, 4110/20, depois os 4150 e por fim o intervalo 4180/90.   Análise Anterior: S&P500 @ 4106 Fazemos notar, mais uma vez, a importância da zona dos 4120 como suporte. Abaixo desta referência temos a exponencial dos 50 dias nos 4070, e a dos 200 nos 3731. Acima dos 4120 o padrão de alta continua intacto. Análise Anterior: S&P500 @ 4122 Também o S&P500 desenhou uma “bull trap” acima da nossa referência de curto prazo, fazendo disparar no breakeven o “stop” para o plano sugerido na última nota. O “gap down” de hoje, na mesma zona do anterior (que fizemos notar na última nota), reforça a nossa de referência para as próximas sessões, agora o intervalo 4188/93. Abaixo desta zona mantemos um bias negativo no curto prazo. Continuamos a ver os 4120 como o suporte que pode adiar uma correcção mais prolongada. Veremos a próxima recuperação como uma oportunidade de venda desde que o preço não reconquiste os 4193. Análise Anterior: S&P500 @ 4163.92 (fecho de terça-feira) O S&P500 abriu ontem com um forte “gap down” que é agora a nossa referência para o curto prazo. Mantemos o objectivo defendido para esta correcção, mas para já sugerimos a alteração do “stop” para o “breakeven”.   Análise Anterior: S&P500 @ 4195 A abertura de hoje aponta para um “gap” de exaustão, mais uma vez com divergências negativas nos indicadores que utilizamos. A tendência de alta continua a ditar as regras mas o sentimento eufórico, aliado às condições referidas, permite a elaboração de um plano com objectivo na exponencial dos 50 dias (hoje nos 4024). Sugerimos então uma entrada nos níveis actuais, 4195, com objectivo nos 4039 (a exponencial dos 50 dias tem inclinação positiva) e como “stop”, os 4221 (rácio retorno/risco de 6).  “Faz sentido assumir apenas 1/16 do risco máximo”   Análise Anterior: S&P500 @ 4165 É evidente a caminhada ascendente deste o último “breakout” (e nota), sempre suportada duas exponenciais de curto prazo no gráfico horário. O índice está a testar a dos 21 períodos, nos 4165. Logo abaixo temos uma importante zona de suporte, o intervalo 4137/50). Para manter o padrão actual, o S&P500 deve aguentar estas referências. Faremos novo “update” se o índice quebrar os 4137. Análise Anterior: S&P500 @ 4004 O índice abriu hoje com mais um forte “gap up”, desta vez claramente acima dos intervalo 3975/80 que travou o índice no último mês. Os sinais de esgotamento não foram debelados, o sentimento continua a denotar euforia (o que obriga a cautelas), mas o “preço é rei”. Acima dos 3975 o bias é positivo e o movimento de alta deve continuar. O fecho de hoje é importante para a confirmação de novo “breakout”. O índice continua sem fazer uma correcção que permita elaborar um plano de entrada, pelo que continuamos a defender uma abordagem componente a componente.   Análise Anterior:S&P500 @ 3909.52 (Fecho de 5ª feira) Depois de um fecho na zona do 1º suporte (3875/99), o índice foi testar a exponencial dos 50 dias, o suporte seguinte referido na última nota. Os movimento mais bruscos costumam ser desenhados contra a tendência vigente e mais uma vez o índice prepara-se para confirmar um sinal de compra no MACD horário, com o preço já muito distante de qualquer zona técnica que permita a elaboração de um plano. Continuamos a alertar para a perda de “momentum” e volume nos movimentos de alta, pelo que vamos continuar com um “bias” muito neutro e continuamos para já a defender e a preferir a abordagem aos seus componentes. Para a continuação desta toada de alta, “basta” que sustente acima dos 3850, mas começa a ser importante que deixe para trás o intervalo 3950/80…   Análise Anterior:S&P500 @ 3940.56 (Fecho de 2ª feira) O índice S&P500 reconquistou as exponenciais de curto prazo com dois “gap up” muito fortes (setas amarelas), continuando a denotar pouco “momentum” nos movimentos ascendentes. A divergência negativa no gráfico diário agrava-se desde a zona dos 3700 pontos, no que se apresenta como o 1º objectivo técnico para uma correcção de curto prazo. Continuamos a fazer notar a distância para a exponencial dos 200 dias, hoje na zona dos 3563. Como referências técnicas para o curto prazo, temos os 3950 como resistência e o intervalo 3875/99 como suporte, seguido da exponencial dos 50 dias (hoje nos 3851). Análise Anterior: S&P500 @ 3765 A abertura positiva de segunda-feira depois da aprovação de mais estímulos causou apenas algum “ruído” técnico no curto prazo, com o índice a voltar rapidamente e com volume, a testar a zona dos 3802 suporte seguinte no gráfico, nas imediações da exponencial dos 50 dias. A quebra trouxe de imediato as zonas seguintes (3767  e 3755), com o índice a fechar ontem nos 3768. Sendo sexta-feira, retomamos o gráfico semanal e a linha de tendência superior do “megafone” que o índice desenhou neste período temporal de análise. O preço está novamente a estar essa zona. Um alerta para a inversão do MACD semanal - destacámos os anteriores sinais.     A figura no gráfico semanal merece toda a nossa atenção, mas para já vamos ficar pela análise à zona dos 3811/20 (o índice esteve lá na recuperação após os números das 13h30). Não reconquistando esta zona e principalmente não aguentando os 3755, devemos esperar um teste aos mínimos do ano. Faremos novo update se o preço conseguir quebrar uma destas zonas (3662 ou 3820). Relembramos também a distância para a exponencial dos 200 dias, hoje nos 3520.       Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
15.07.2021 16:21
Análise Técnica
Update: EUROSTOXX50
Eurostoxx50 @ 4062 Um índice parou a recuperação na zona que definimos como resistência, desenhando algumas divergências negativas. A sustentação abaixo dos 4040 refoçaria o nosso bias cauteloso, sugeriria novo teste aos 3920 e obrigaria a novo “update”. Análise Anterior: Eurostoxx50 @4023 O índice Europeu ainda não recuperou daquela sexta-feira com fecho nos 4083, estando inclusive a negociar abaixo da exponencial dos 50 dias depois do primeiro fecho abaixo desta referência desde Janeiro… O nosso bias continua cauteloso/negativo e defendemos que a sustentação abaixo da exponencial dos 50 dias deverá acabar por implicar um teste à dos 200.  Acima dos 4080/100 assumimos alguma neutralidade. Abaixo dos 4040 devemos ter novo teste aos 3920. Análise Anterior: Eurostoxx50 @4083.37 (fecho de sexta-feira) O índice marcou novos máximos mas bastou uma sessão para o colocar novamente na importante zona dos 4080 e anular as últimas 10 sessões! O nosso “bias continua negativo.     O gráfico horário desenhou nova divergência negativa e fechou a sessão em cima da expoencial dos 200 períodos, obrigando a alguma atenção nas próximas horas. A quebra desta referência deve trazer finalmente o teste aos 3920. Suporte intermédio no intervalo 4020/40.   Análise Anterior: Eurostoxx50 @ 4090 O índice está a testar o 1º suporte na exponencial das 50 horas (1º suporte). Um fecho horário abaixo dos 4087 ou a quebra em negociação dos 4080 obrigaria a : - Alterar o “stop” do 1º plano para o “breakeven” - Alterar o “stop do 2º plano para os 4124 (reduzindo para metade o risco assumido). Análise Anterior: Eurostoxx50 @ 4104 O “grinding higher” continua sem recuos, com as divergências a acumularem-se (o mercado está claramente à espera do BCE e dos dados da inflação nos EUA na próxima quinta-feira). O sentimento e o momentum são o pilar que suporta o nosso bias”, mas o padrão do preço obriga a ter a nossa expectativa como de alto risco no curto prazo. Insistimos na ideia que temos defendido: “os mínimos são eventos e os topos são processos”. A exponencial dos 200 dias, referência regularmente visitada, está na zona dos 3700 e é esse o nosso objectivo para uma correcção de curto prazo. A zona dos 4040, anterior resistência de curto prazo, permanece como valor a ter em conta num movimento de curto prazo, pelo que sugerimos duas ideias, com entrada no nível actual do índice (4104): - Venda com objectivo nos 4044 e com “stop” @ 4124 (rácio retorno/risco de 3) - Venda com objectivo nos 3704 e um “stop” @ 4144 (rácio retorno/risco de 10) Lembramos que o padrão de alta, mesmo com vários sinais de alarme técnicos, ainda vigora, pelo que sugerimos apenas 1/32 do risco máximo para os dois planos. Análise Anterior: Eurostoxx50 @4032 O índice continua incapaz de suplantar de forma consistente a zona de resistência que temos monitorizado (4040). Assinalámos a entrada sugerida ontem e reiteramos o objectivo nos 3918. Se o Eurostoxx50 negociar abaixo dos 3999 sugerimos uma alteração do “stop” para o “breakeven” (entrada @ 4038).     Análise Anterior: Eurostoxx50 @4048 Mais uma abertura em “gap up” na zona de resistência, o que é o mesmo que dizer, nova tentativa de “breakout” sem volume. A participação dos intervenientes tem sido cada vez menor, mas não podemos descartar a possibilidade de o preço conseguir suplantar esta zona. Por outro lado, a incapacidade para mais uma vez não aguentar os 4040, terá o nosso total interesse numa óptica de “trading”, pelo que sugerimos um “trigger” de venda nos 4038, com um “stop” nos 4058 e como objectivo, os 3918 (rácio retorno/risco de 6). Continuamos com apenas 1/32 do risco máximo.     Análise Anterior: Eurostoxx50 @3944   Não esperávamos novo “gap” de exaustão na mesma zona e novos máximos (por 3 pontos), mas a reacção posterior reforça a importância da resistência e a nossa expectativa. O cenário é claramente mais “bearish” neste momento e continuamos a ter como válidos os objectivos em baixa. Mais uma vez iremos esperar por uma recuperação para elaborar novo plano de entrada. A quebra da zona dos mínimos anteriores (junto aos 3860) pode obrigar a reavaliar os gráficos de prazo mais alargado.     Análise Anterior: Eurostoxx50 @4012.5   O índice voltou a aguentar na zona da exponencial dos 50 dias e em duas sessões encostou à zona de máximos do último mês, mantendo os sinais de alarme que levaram à sugestão dos planos anteriores. O gráfico horário volta a mostrar um sinal de venda, reforçando a importância desta resistência, pelo que sugerimos nova entradanos níveis actuais (4012.5), com um “stop” nos 4042.5 e como objectivo os 3832.5 (rácio retorno/risco de 8). Vamos para já manter apenas 1/32 do risco máximo.     Análise Anterior: Eurostoxx50 @3955   O final da semana passada trouxe novo “rally”, mais uma vez com fraco volume e momentum, que de qualquer forma acabaram por atingir os nossos “stops” (no breakeven). Tecnicamente o nosso cenário “bearish” continua válido e até sai reforçado, mas obriga agora a esperar por nova recuperação até uma zona de resistência para a elaboração de um novo plano. Lembramos que o 1º objectivo no gráfico diário está abaixo dos 3900.     Análise Anterior: Eurostoxx50 @3970   O índice acabou mesmo por recuar, tendo já negociado abaixo dos mínimos relativos anteriores neste período temporal de análise. Sugerimos para já a alteração dos dois “stops” para o “breakeven” e se o índice quebrar os 3950, nova alteração do “stop” do Plano 1 para os 3974. Se continuar a correcção e quebrar os mínimos de ontem (3918), nova alteração para os 3954. Mantemos os objectivos para os dois planos.     Análise Anterior: Eurostoxx50 @ 4014   O padrão de alta do preço não sofre contestação, pelo que a ideia que vamos sugerir em seguida envolve riscos acrescidos por ser contrária à tendência dominante. O gráfico diário pode estar a desenhar um “lower high” depois de vincar novas divergências negativas nos últimos máximos.     Olhando para o gráfico horário, constatamos que também neste período temporal o preço está a desenhar divergências negativas. Sugerimos então dois planos:   1 – Entrada nos níveis actuais (4014) com um “stop” @ 4034 e como objectivo os 3864 (na zona da exponencial dos 50 dias) – Rácio retorno/risco de 7.5 2 – Entrada nos níveis actuais (4014), com um “stop” @ 4064 e como objectivo os 3614 (acima da exponencial dos 200 dias) – Rácio retorno/risco de 8.   Para qualquer um dos planos defendemos apenas 1/32 do risco máximo   Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
09.07.2021 12:48
Análise Técnica
Update: S&P500
S&P500 @ 4320.82 (Fecho de quinta-feira)   A sessão de ontem trouxe mais um teste à exponenciais de curto prazo e novo aumento de volume. Os 4280 são o 1º suporte a monitorizar para investidores mais agressivos. Destacámos no gráfico diário os testes à exponencial dos 50 dias, primeira zona que iremos monitorizar com vista à elaboração de um plano (hoje nos 4215). Continuamos com um bias muito cauteloso até uma visita à exponencial dos 200 dias, não descartando a possibilidade de uma entrada logo na exponencial dos 50 dias. Análise Anterior: S&P500 @ 4219 Desde a nossa última nota (e último sinal de venda no gráfico horário), podemos escrever que “pouco se passou” no índices, continuando a abordagem componente a componente a fazer mais sentido. Fazemos de qualquer forma notar a incapacidade do preço para deixar para trás esta zona e mantêm-se os sinais de alarme no volume e no “momentum”. Temos como referência para o curto prazo os 4180 e os 4240. O índice abriu hoje com mais um forte “gap up”, padrão que tem atraído vendedores e volume. Especial atenção à referência intermédia nos 4220. Continuamos com um “bias” neutro/negativo. Análise Anterior: S&P500 @ 4185 A quebra em fecho horário dos 4188 está feita (nos 4185). O plano sugerido tem como objectivos os 3981 e como “stop” os 4219. Se o índice quebrar os 4130 em negociação, fará sentido alterar o “stop” para o “breakeven”.   Análise Anterior: S&P500 @ 4200 “Os mínimos são eventos e os topos são processos”. Esta máxima tem décadas e traduz de forma muito intuitiva o que é habitual ver nos índices quando “olhamos para trás”. Para além do fecho record do final de Abril/início de Maio, o gráfico semanal apresenta 5 fechos consecutivos no mesmo intervalo (inferior a 1%). Sabemos que tem entrado dinheiro (de retalho) em níveis nunca antes vistos nos fundos norte-americanos e sabemos que a complacência, não estando em máximos, apresenta níveis muito preocupantes para os investidores de prazo mais alargado. O nosso “bias” continua extremamente cauteloso e só deixará de o ser após uma correcção no gráfico diário, preferencialmente após um teste à exponencial dos 200 dias que é visitada praticamente todos os anos (faz sentido relembrar que a dita referência está hoje nos 3762 – mais de 10% abaixo dos níveis de hoje). É importante referir também que estamos apenas a esperar uma correcção de curto prazo, perfeitamente recorrente, mesmo nos “bull markets” mais agressivos. Tecnicamente e pensado apenas no que o comportamento histórico do preço nos “ensina”, olhamos agora apenas para baixo. Os volumes de todas as recuperações têm sido muito fracos, a mostrar uma participação cada vez menor. Alertamos também para o facto de o preço ter claudicado na extensão de Fibonacci de 123.6% no último máximo (4236). Na última nota destacámos os 4188 como o valor que define o nosso posicionamento numa óptica de “trading” de curto prazo, pelo que o plano de hoje terá essa referência como apoio. Sugerimos então uma entrada com um fecho horário abaixo dos 4188, o “stop” será colocado 5 pontos acima do máximo feito entretanto e como o objectivo técnico no gráfico diário dista bastante dos valores actuais, sugerimos um alvo que corresponda a 6 vezes a distância entre o ponto de entrada e o “stop” definido. Mais uma vez e porque o padrão de alta ainda não está invalidado, apenas 1/32 do risco máximo.   Análise Anterior: S&P500 @ 4127.84 - fecho de terça-feira O S&P500 testou o “gap” deixado nos 4188 e reagiu em baixa, com o gráfico horário a confirmar novo sinal de venda nos 4148. O padrão de alta está novamente em dúvida, mesmo após a reacção positiva à exponencial dos 50 dias (o índice reconquistou esta zona após um fecho abaixo, como tem sido hábito), uma vez que desenhou um “lower high” e não conseguiu suplantar os 4188. As próximas sessões irão decerto clarificar se os vários sinais de cansaço dos indicadores terão finalmente implicações no comportamento do preço. Zonas de referência para “trading” no curto prazo 4070, 4110/20, depois os 4150 e por fim o intervalo 4180/90.   Análise Anterior: S&P500 @ 4106 Fazemos notar, mais uma vez, a importância da zona dos 4120 como suporte. Abaixo desta referência temos a exponencial dos 50 dias nos 4070, e a dos 200 nos 3731. Acima dos 4120 o padrão de alta continua intacto. Análise Anterior: S&P500 @ 4122 Também o S&P500 desenhou uma “bull trap” acima da nossa referência de curto prazo, fazendo disparar no breakeven o “stop” para o plano sugerido na última nota. O “gap down” de hoje, na mesma zona do anterior (que fizemos notar na última nota), reforça a nossa de referência para as próximas sessões, agora o intervalo 4188/93. Abaixo desta zona mantemos um bias negativo no curto prazo. Continuamos a ver os 4120 como o suporte que pode adiar uma correcção mais prolongada. Veremos a próxima recuperação como uma oportunidade de venda desde que o preço não reconquiste os 4193. Análise Anterior: S&P500 @ 4163.92 (fecho de terça-feira) O S&P500 abriu ontem com um forte “gap down” que é agora a nossa referência para o curto prazo. Mantemos o objectivo defendido para esta correcção, mas para já sugerimos a alteração do “stop” para o “breakeven”.   Análise Anterior: S&P500 @ 4195 A abertura de hoje aponta para um “gap” de exaustão, mais uma vez com divergências negativas nos indicadores que utilizamos. A tendência de alta continua a ditar as regras mas o sentimento eufórico, aliado às condições referidas, permite a elaboração de um plano com objectivo na exponencial dos 50 dias (hoje nos 4024). Sugerimos então uma entrada nos níveis actuais, 4195, com objectivo nos 4039 (a exponencial dos 50 dias tem inclinação positiva) e como “stop”, os 4221 (rácio retorno/risco de 6).  “Faz sentido assumir apenas 1/16 do risco máximo”   Análise Anterior: S&P500 @ 4165 É evidente a caminhada ascendente deste o último “breakout” (e nota), sempre suportada duas exponenciais de curto prazo no gráfico horário. O índice está a testar a dos 21 períodos, nos 4165. Logo abaixo temos uma importante zona de suporte, o intervalo 4137/50). Para manter o padrão actual, o S&P500 deve aguentar estas referências. Faremos novo “update” se o índice quebrar os 4137. Análise Anterior: S&P500 @ 4004 O índice abriu hoje com mais um forte “gap up”, desta vez claramente acima dos intervalo 3975/80 que travou o índice no último mês. Os sinais de esgotamento não foram debelados, o sentimento continua a denotar euforia (o que obriga a cautelas), mas o “preço é rei”. Acima dos 3975 o bias é positivo e o movimento de alta deve continuar. O fecho de hoje é importante para a confirmação de novo “breakout”. O índice continua sem fazer uma correcção que permita elaborar um plano de entrada, pelo que continuamos a defender uma abordagem componente a componente.   Análise Anterior:S&P500 @ 3909.52 (Fecho de 5ª feira) Depois de um fecho na zona do 1º suporte (3875/99), o índice foi testar a exponencial dos 50 dias, o suporte seguinte referido na última nota. Os movimento mais bruscos costumam ser desenhados contra a tendência vigente e mais uma vez o índice prepara-se para confirmar um sinal de compra no MACD horário, com o preço já muito distante de qualquer zona técnica que permita a elaboração de um plano. Continuamos a alertar para a perda de “momentum” e volume nos movimentos de alta, pelo que vamos continuar com um “bias” muito neutro e continuamos para já a defender e a preferir a abordagem aos seus componentes. Para a continuação desta toada de alta, “basta” que sustente acima dos 3850, mas começa a ser importante que deixe para trás o intervalo 3950/80…   Análise Anterior:S&P500 @ 3940.56 (Fecho de 2ª feira) O índice S&P500 reconquistou as exponenciais de curto prazo com dois “gap up” muito fortes (setas amarelas), continuando a denotar pouco “momentum” nos movimentos ascendentes. A divergência negativa no gráfico diário agrava-se desde a zona dos 3700 pontos, no que se apresenta como o 1º objectivo técnico para uma correcção de curto prazo. Continuamos a fazer notar a distância para a exponencial dos 200 dias, hoje na zona dos 3563. Como referências técnicas para o curto prazo, temos os 3950 como resistência e o intervalo 3875/99 como suporte, seguido da exponencial dos 50 dias (hoje nos 3851). Análise Anterior: S&P500 @ 3765 A abertura positiva de segunda-feira depois da aprovação de mais estímulos causou apenas algum “ruído” técnico no curto prazo, com o índice a voltar rapidamente e com volume, a testar a zona dos 3802 suporte seguinte no gráfico, nas imediações da exponencial dos 50 dias. A quebra trouxe de imediato as zonas seguintes (3767  e 3755), com o índice a fechar ontem nos 3768. Sendo sexta-feira, retomamos o gráfico semanal e a linha de tendência superior do “megafone” que o índice desenhou neste período temporal de análise. O preço está novamente a estar essa zona. Um alerta para a inversão do MACD semanal - destacámos os anteriores sinais.     A figura no gráfico semanal merece toda a nossa atenção, mas para já vamos ficar pela análise à zona dos 3811/20 (o índice esteve lá na recuperação após os números das 13h30). Não reconquistando esta zona e principalmente não aguentando os 3755, devemos esperar um teste aos mínimos do ano. Faremos novo update se o preço conseguir quebrar uma destas zonas (3662 ou 3820). Relembramos também a distância para a exponencial dos 200 dias, hoje nos 3520.       Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
09.07.2021 11:55
Análise Técnica
Update: EUROSTOXX50
Eurostoxx50 @ 4023 O índice Europeu ainda não recuperou daquela sexta-feira com fecho nos 4083, estando inclusive a negociar abaixo da exponencial dos 50 dias depois do primeiro fecho abaixo desta referência desde Janeiro… O nosso bias continua cauteloso/negativo e defendemos que a sustentação abaixo da exponencial dos 50 dias deverá acabar por implicar um teste à dos 200.  Acima dos 4080/100 assumimos alguma neutralidade. Abaixo dos 4040 devemos ter novo teste aos 3920. Análise Anterior: Eurostoxx50 @4083.37 (fecho de sexta-feira) O índice marcou novos máximos mas bastou uma sessão para o colocar novamente na importante zona dos 4080 e anular as últimas 10 sessões! O nosso “bias continua negativo.     O gráfico horário desenhou nova divergência negativa e fechou a sessão em cima da expoencial dos 200 períodos, obrigando a alguma atenção nas próximas horas. A quebra desta referência deve trazer finalmente o teste aos 3920. Suporte intermédio no intervalo 4020/40.   Análise Anterior: Eurostoxx50 @ 4090 O índice está a testar o 1º suporte na exponencial das 50 horas (1º suporte). Um fecho horário abaixo dos 4087 ou a quebra em negociação dos 4080 obrigaria a : - Alterar o “stop” do 1º plano para o “breakeven” - Alterar o “stop do 2º plano para os 4124 (reduzindo para metade o risco assumido). Análise Anterior: Eurostoxx50 @ 4104 O “grinding higher” continua sem recuos, com as divergências a acumularem-se (o mercado está claramente à espera do BCE e dos dados da inflação nos EUA na próxima quinta-feira). O sentimento e o momentum são o pilar que suporta o nosso bias”, mas o padrão do preço obriga a ter a nossa expectativa como de alto risco no curto prazo. Insistimos na ideia que temos defendido: “os mínimos são eventos e os topos são processos”. A exponencial dos 200 dias, referência regularmente visitada, está na zona dos 3700 e é esse o nosso objectivo para uma correcção de curto prazo. A zona dos 4040, anterior resistência de curto prazo, permanece como valor a ter em conta num movimento de curto prazo, pelo que sugerimos duas ideias, com entrada no nível actual do índice (4104): - Venda com objectivo nos 4044 e com “stop” @ 4124 (rácio retorno/risco de 3) - Venda com objectivo nos 3704 e um “stop” @ 4144 (rácio retorno/risco de 10) Lembramos que o padrão de alta, mesmo com vários sinais de alarme técnicos, ainda vigora, pelo que sugerimos apenas 1/32 do risco máximo para os dois planos. Análise Anterior: Eurostoxx50 @4032 O índice continua incapaz de suplantar de forma consistente a zona de resistência que temos monitorizado (4040). Assinalámos a entrada sugerida ontem e reiteramos o objectivo nos 3918. Se o Eurostoxx50 negociar abaixo dos 3999 sugerimos uma alteração do “stop” para o “breakeven” (entrada @ 4038).     Análise Anterior: Eurostoxx50 @4048 Mais uma abertura em “gap up” na zona de resistência, o que é o mesmo que dizer, nova tentativa de “breakout” sem volume. A participação dos intervenientes tem sido cada vez menor, mas não podemos descartar a possibilidade de o preço conseguir suplantar esta zona. Por outro lado, a incapacidade para mais uma vez não aguentar os 4040, terá o nosso total interesse numa óptica de “trading”, pelo que sugerimos um “trigger” de venda nos 4038, com um “stop” nos 4058 e como objectivo, os 3918 (rácio retorno/risco de 6). Continuamos com apenas 1/32 do risco máximo.     Análise Anterior: Eurostoxx50 @3944   Não esperávamos novo “gap” de exaustão na mesma zona e novos máximos (por 3 pontos), mas a reacção posterior reforça a importância da resistência e a nossa expectativa. O cenário é claramente mais “bearish” neste momento e continuamos a ter como válidos os objectivos em baixa. Mais uma vez iremos esperar por uma recuperação para elaborar novo plano de entrada. A quebra da zona dos mínimos anteriores (junto aos 3860) pode obrigar a reavaliar os gráficos de prazo mais alargado.     Análise Anterior: Eurostoxx50 @4012.5   O índice voltou a aguentar na zona da exponencial dos 50 dias e em duas sessões encostou à zona de máximos do último mês, mantendo os sinais de alarme que levaram à sugestão dos planos anteriores. O gráfico horário volta a mostrar um sinal de venda, reforçando a importância desta resistência, pelo que sugerimos nova entradanos níveis actuais (4012.5), com um “stop” nos 4042.5 e como objectivo os 3832.5 (rácio retorno/risco de 8). Vamos para já manter apenas 1/32 do risco máximo.     Análise Anterior: Eurostoxx50 @3955   O final da semana passada trouxe novo “rally”, mais uma vez com fraco volume e momentum, que de qualquer forma acabaram por atingir os nossos “stops” (no breakeven). Tecnicamente o nosso cenário “bearish” continua válido e até sai reforçado, mas obriga agora a esperar por nova recuperação até uma zona de resistência para a elaboração de um novo plano. Lembramos que o 1º objectivo no gráfico diário está abaixo dos 3900.     Análise Anterior: Eurostoxx50 @3970   O índice acabou mesmo por recuar, tendo já negociado abaixo dos mínimos relativos anteriores neste período temporal de análise. Sugerimos para já a alteração dos dois “stops” para o “breakeven” e se o índice quebrar os 3950, nova alteração do “stop” do Plano 1 para os 3974. Se continuar a correcção e quebrar os mínimos de ontem (3918), nova alteração para os 3954. Mantemos os objectivos para os dois planos.     Análise Anterior: Eurostoxx50 @ 4014   O padrão de alta do preço não sofre contestação, pelo que a ideia que vamos sugerir em seguida envolve riscos acrescidos por ser contrária à tendência dominante. O gráfico diário pode estar a desenhar um “lower high” depois de vincar novas divergências negativas nos últimos máximos.     Olhando para o gráfico horário, constatamos que também neste período temporal o preço está a desenhar divergências negativas. Sugerimos então dois planos:   1 – Entrada nos níveis actuais (4014) com um “stop” @ 4034 e como objectivo os 3864 (na zona da exponencial dos 50 dias) – Rácio retorno/risco de 7.5 2 – Entrada nos níveis actuais (4014), com um “stop” @ 4064 e como objectivo os 3614 (acima da exponencial dos 200 dias) – Rácio retorno/risco de 8.   Para qualquer um dos planos defendemos apenas 1/32 do risco máximo   Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
02.07.2021 11:22
Invest Outlook
3º Trimestre 2021
O desenrolar da vacinação contra a Covid-19 tem contribuído para a melhoria do sentimento global dos agentes económicos. Apesar da elevada dispersão dos ritmos da vacinação e da recuperação entre os vários países, segundo as últimas estimativas do Fundo Monetário Internacional (FMI), a economia mundial deverá crescer 6,0%, em 2021, e 4,4%, no próximo ano.   A Alocação de Activos recomendada não sofreu alterações significativas desde a última edição. O cenário macroeconómico mantém-se positivo, com níveis de crescimento muito acima da média e taxas de juro muito baixas, pelo que, apesar de alguma preocupação em termos de avaliações e subida da inflação nos próximos meses, mantemos a preferência pelos activos cíclicos, como as Acções e as obrigações High Yield. Em alternativa à Dívida Pública, mantém-se a posição overweight em Liquidez.     Evolução dos indicadores macroeconómicos Quinze meses após a declaração de pandemia mundial pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o número de novos casos diários de Covid-19 continua a suscitar preocupação, embora o processo de vacinação global tenha melhorado significativamente o sentimento entre os agentes económicos. À presente data, cerca de 22,2% da população mundial já terá recebido, pelo menos, uma dose da vacina contra a Covid-19, num total de 2,8 mil milhões de pessoas, de acordo com o Our World in Data.    Neste cenário de melhoria do sentimento, apesar da elevada dispersão dos ritmos da vacinação e da recuperação económica entre os vários países, segundo as últimas estimativas do Fundo Monetário Internacional (FMI), a economia mundial deverá crescer 6,0%, em 2021, e 4,4%, no próximo ano.   Fonte: FMI (Abril-21). Estas projeções para 2021 e 2022 são 0,8 e 0,2 pontos percentuais (p.p.) superiores, respectivamente, face às estimativas anteriores (de Outubro de 2020), reflectindo os esforços fiscais entretanto anunciados e os efeitos positivos da vacinação, no segundo semestre deste ano.    Graças à resposta, sem precedentes, das autoridades fiscais e monetárias, a recessão provocada pela Covid-19 é esperada deixar menos cicatrizes do que a crise global financeira de 2008, ainda que os países mais expostos, por exemplo, ao turismo, e mais vulneráveis em termos de finanças e saúde públicas sejam esperados demorar mais tempo a recuperar da forte recessão de 2020.   Fonte: OCED (Maio-21). Por sua vez, entre os países mais ricos e desenvolvidos, a recuperação a médio-longo prazo, encontra-se condicionada pelo elevado endividamento dos agentes económicos, limitando o investimento e o consumo, apesar do forte aumento das taxas de poupança durante os lockdowns.   Deste modo, a incerteza em torno do outlook macroeconómico permanece elevada, com o crescimento da economia mundial dependente da evolução da pandemia e da eficácia das actuais vacinas contra as novas variantes da Covid-19, e da transmissão das políticas fiscais e monetárias, adoptadas nos últimos meses, à economia real, num contexto de elevado endividamento global. Fonte: OCED (Maio-21). Estados Unidos Em 2021, a economia norte-americana é esperada crescer 6,4%, segundo o FMI. A economia norte-americana cresceu, em termos anualizados, 6,4% em cadeia, no primeiro trimestre deste ano. Em termos anuais, quando comparado com o trimestre homólogo, o crescimento foi de 0,4%, o que compara com os -2,4% do trimestre anterior.    O processo de vacinação tem contribuído para a melhoria do sentimento económico geral, tal como é visível nos índices de confiança. No final do mês de Maio, os índices PMI Manufacturing e Non-Manufacturing situavam-se nos 62,1 e 64,0 pontos, reflectindo o optimismo dos agentes económicos. Apesar de algumas restrições nas cadeias de abastecimento globais, o ritmo da expansão é muito forte, à medida que as empresas reabrem e a capacidade de produção começa a aumentar.   Fonte: Bloomberg. A retoma da actividade é particularmente visível na evolução recente da taxa de desemprego. Após um máximo de 14,8%, em Abril do ano passado, a taxa de desemprego situa-se agora nos 5,8% (6,7%, no final de 2020). Ainda assim, a criação de emprego tem ocorrido a uma velocidade inferior à esperada pelos analistas, o que tem sido justificado pelos subsídios atribuídos pelo governo e pelo receio dos trabalhadores de contágio em contexto laboral.   A retoma do consumo e da mobilidade, as restrições em termos de mão-de-obra e nas cadeias de abastecimento globais, e a subida dos preços das matérias-primas têm tido um impacto significativo nos preços. Com efeito, a taxa de inflação anual acelerou para os 5,0% em Maio (1,4% em Janeiro), registando o valor mais elevado desde Agosto de 2008. Os principais contribuidores para esta subida anual foram a gasolina (56,2%), os veículos usados (13,5%) e os serviços de transporte (11,2%). Os custos com alojamento e alimentação registam um aumento anual de 2,2%, o que tem permitido à generalidade dos analistas, incluindo a Reserva Federal (FED) manter a perspectiva de que este aumento nos preços será temporário, diminuindo à medida que a capacidade da oferta ajusta ao esperado aumento da procura este ano. Ainda assim, a FED espera uma taxa de inflação média de 3,4%, em 2021, um valor bem acima do objectivo dos 2,0%.   Fonte: Bloomberg. Concluindo, todos os indicadores apontam para uma forte recuperação da actividade económica durante este ano. De acordo com as últimas previsões do FMI, a economia dos Estados-Unidos deverá crescer 6,4%, em 2021, e abrandar para os 3,5%, em 2022. Zona Euro A economia da Zona Euro caiu 6,6%no ano passado. De acordo com o FMI, deverá recuperar 4,4% em 2021.   Na Zona Euro, o Produto Interno Bruto (PIB) contraiu 0,3%, em cadeia, no primeiro trimestre deste ano. Ao contrário do verificado nos Estados-Unidos, em vários países da Zona Euro, a recuperação económica foi interrompida por novas medidas de contenção da pandemia, penalizando particularmente o consumo das famílias. Entre as maiores economias do bloco, a Alemanha, a França, a Espanha e os Países Baixos voltaram a entrar em recessão (dois trimestres negativos consecutivos), enquanto a Itália registou um crescimento modesto, apesar das restrições. Deste modo, a economia da Zona Euro não conseguiu ainda retomar o crescimento, registando uma perda de 1,3%, em termos homólogos.   A consequência directa do atraso na retoma da actividade tem sido a igualmente lenta recuperação do emprego. Na Zona Euro, a taxa de desemprego situa-se nos 8,0% (Abril-21), apenas 0,7 pp abaixo do máximo registado no Verão do ano passado. O valor médio esconde, contudo, uma elevada dispersão entre os países membros. Enquanto países como a Alemanha e Países Baixos registam taxas de desemprego de 4,4% e 3,4%, respectivamente, países como a Espanha, Itália e a França registam níveis de 15,4%, 10,7% e 7,3%, respectivamente.   Fonte: Bloomberg. Tal como nos Estados-Unidos, também na Zona Euro a taxa de inflação tem vindo a subir. Em Maio, a taxa de inflação média do bloco situou-se nos 2,0%, o valor mais alto desde Outubro de 2018, em larga medida devido ao designado efeito-base (preços muito deprimidos em meados de 2020) e à reabertura gradual do consumo. A maior pressão para esta subida dos preços veio da subida dos custos com energia (13,1%) o que, tal como nos Estados-Unidos, sustenta a tese da subida temporária da taxa de inflação. Excluindo os custos com alimentação e energia, a taxa de inflação (core) situa-se em apenas 1,0%.   Fonte: Bloomberg. Deste modo, a recuperação da economia europeia deverá ser mais lenta relativamente à congénere norte-americana. De acordo com as estimativas do FMI, a Zona Euro deverá crescer este ano 4,4%, e 3,8% em 2022. Entre as maiores economias do bloco, em 2021, a Alemanha é esperada crescer 3,6%, a França 5,8%, a Itália 4,2% e a Espanha 6,4%.   Portugal  A economia nacional é esperada crescer 4,8% e 5,6% em 2021 e 2022, respectivamente, após uma contracção de 7,6% durante o ano passado, de acordo com o BdP. De acordo com o último Boletim Económico do Banco de Portugal (BdP), após uma queda de 7,6% em 2020, o PIB nacional crescerá 4,8% em 2021 e 5,6% em 2022. Em 2023, o crescimento será de 2,4%, valor próximo do observado antes da pandemia. Esta recuperação tem subjacente o controlo da pandemia, incluindo avanços na vacinação, e a manutenção dos apoios das políticas económicas, que mitigam os efeitos permanentes da crise na capacidade produtiva do país. Desta forma, dada a natureza exógena do choque, a transmissão limitada ao sistema financeiro e a resposta tempestiva da política monetária e orçamental, o regresso do PIB aos níveis do final de 2019 é esperada acontecer no início de 2022.   Em Março, a taxa de desemprego caiu para os 7,1%, um valor já muito próximo dos níveis anteriores à pandemia. O aumento do emprego permitirá uma recuperação gradual do consumo privado, na ordem dos 3,3% e 4,9% em 2021 e 2022, respectivamente. Por sua vez, o consumo público deverá crescer 4,9% em termos reais, em 2021, e o investimento crescerá, em média, 7% entre 2021 e 2023.   Ainda de acordo com o BdP, as exportações apresentam um crescimento esperado de cerca 14% em 2021-22 e de 4,8% em 2023, embora com diferenças marcadas entre bens e serviços. Com efeito, as exportações de bens recuperaram os níveis de pré-crise logo na segunda metade do ano, mas a recuperação das exportações de serviços será mais lenta, em particular das exportações de turismo e alguns serviços associados. No final do primeiro trimestre deste ano, as exportações de serviços situavam-se cerca de 50% abaixo do valor pré-pandémico.   No período de projeção, o BdP prevê uma taxa de inflação de 0,7% em 2021, 0,9% em 2022 e 1,0% em 2023, valores bem abaixo da média da Zona Euro, no período em análise   Fonte: Bloomberg. De acordo com a Direcção Geral do Orçamento (DGO), as Administrações Públicas registaram até Abril de 2021 um défice de 4,8 mil milhões de euros, o que representa um agravamento homólogo de 3,2 mil milhões de euros, resultado dos efeitos conjugados de uma diminuição da receita (6,3%) e de um acréscimo da despesa (5,2%). O saldo primário situou-se em cerca -1,7 mil milhões de euros, menos 3,2 mil milhões de euros do que em Abril de 2020.    Deste modo, o total da Dívida Directa do Estado continua a aumentar, ascendendo, no final de Abril de 2021, a 270 mil milhões de euros (cerca de 137% do PIB), segundo a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP). Fonte: INE, IGCP. Valores em milhares de milhão.     Países Emergentes As economias emergentes são esperadas crescer 6,7%, em 2021, lideradas pela Índia (12,5%).. Os países emergentes e em desenvolvimento são esperados crescer 6,7% e 5,0%, em 2021 e 2022, respectivamente, de acordo com as últimas estimativas do FMI. Mais uma vez, estes valores escondem uma elevada dispersão entre países e regiões, com a Ásia a liderar os ganhos.   A China cresceu em cadeia 0,6%, no primeiro trimestre. Porém, em termos homólogos, o PIB aumentou 18,3%, acelerando fortemente face aos 6,5% registados no trimestre anterior. Para o total de 2021, o FMI espera um crescimento de 8,4%, seguido de 5,6% no próximo ano. A taxa de inflação situa-se nos 1,3% (Maio), o valor mais elevado desde Setembro de 2020, impulsionado, sobretudo, pelos custos com transportes e comunicações (5,5%). Por sua vez, a taxa de desemprego situa-se nos 5,0% (Maio), menos 1,2 p.p. que o valor máximo do ano passado.   A Índia registou um crescimento homólogo de 1,6%, no primeiro trimestre do ano, prosseguindo com a recuperação económica após a forte contração de 8% em 2020. De acordo, com o FMI, a economia indiana deverá expandir 12,5% e 6,9% em 2021 e 2022, respectivamente. A taxa de desemprego, que em Abril do ano passado atingiu os 23,5%, situava-se nos 6,5% em Março deste ano, reflectindo a aceleração da produção e do consumo. Em consequência, a taxa de inflação tem vindo a aumentar, situando-se nos 6,3% (4,1% em Janeiro).   Na América Latina, o Brasil e o México são esperados crescer 3,7% e 5,0%, respectivamente, em 2021. No próximo ano, ambas as economias deverão crescer em torno dos 3%, claramente abaixo das economias congéneres asiáticas. No Brasil, a taxa de inflação tem vindo a galopar, para os 8,1% em Maio, o valor mais elevado desde Setembro de 2016. Em consequência, o Banco Central voltou a subir a taxa de juro (a terceira subida em 2021), para os 4,25%, e antecipou mais subidas durante o Verão no sentido de controlar a taxa de inflação.   Por fim, a Rússia, após uma contração de 3,1% no ano passado, é antecipada crescer 3,8% em 2021. A taxa de inflação situa-se nos 6%, o valor mais alto desde Outubro de 2016 e bem acima do objectivo de 4% do Banco Central. Por sua vez, a taxa de desemprego está nos 5,2%, menos 1,2 p.p. face ao máximo de 2020.   Fonte: Bloomberg. Paulo Monteiro Redigido em 23 de Junho de 2021 Alocação de Activos A Alocação de Activos recomendada não sofreu alterações significativas desde a última edição. O cenário macroeconómico mantém-se positivo, com níveis de crescimento muito acima da média e taxas de juro muito baixas, pelo que, apesar de alguma preocupação em termos de avaliações e subida da inflação nos próximos meses, mantemos a preferência pelos activos cíclicos, com alterações mínimas na Alocação de Activos.   Os mercados accionistas terminaram o primeiro semestre com valorizações fortes, com muitos dos principais índices mundiais em máximos históricos. Desde o início do ano, nos Estados-Unidos os índices S&P-500 e Nasdaq-100 valorizaram 12,9% e 10,8%, e, na Europa os índices Stoxx-600 e Ibex-35 subiram 13,6% e 10,9%, respectivamente. Os mercados emergentes estiveram mais fracos tendo valorizado 5,4%, medidos pelo índice MSCI Emerging Markets, penalizados pelo comportamento dos mercados chineses (-0,6%, medido pelo índice HSCEI).   Fonte: Bloomberg.   Nos mercados cambiais, o EUR perdeu 2,4% face ao dólar norte-americano (USD) e 4,4% contra a libra esterlina (GBP), penalizado pela perspectiva de manutenção de uma política monetária acomodatícia na Zona Euro por mais tempo do que nos Estados-Unidos e no Reino Unido. De facto, o melhor desempenho económico dos últimos relativamente à Zona Euro, bem como a estimativa de taxas de inflação superiores, tem conduzido ao alargamento dos diferenciais das yields em detrimento da moeda europeia.   Entre os mercados obrigacionistas, o segmento High Yield (global) voltou a registar o melhor desempenho, com uma valorização de 4,5%, em Eur. As obrigações com melhor rating de crédito (Investment Grade) registaram uma perda de -0,8%, em Eur, medidas pelo índice Barclays Global Aggregate, e a dívida pública emergente (local currency), valorizou 1,2%, em Eur.   O semestre caracterizou-se, pois, pela manutenção da tendência positiva das classes de activos com mais risco, num contexto de crescimento da economia mundial e busca por yields mais altas. Pelo contrário, a perspectiva de que a recuperação económica em curso será acompanhada pela subida da inflação, penalizou as obrigações Investment Grade, e em particular a Dívida Pública: nos Estados-Unidos, a yield dos Treasuries a 10 anos subiu 57 basis-points (bp), para os 1,49%, e na Zona Euro a yield dos Bunds a 10 anos aumentou 39 bp, para os -0,18%.   Fonte: Bloomberg. O tema da subida da inflação foi dominante durante o primeiro semestre e a subida das yields da Dívida Pública acabou por não ser superior devido, em larga medida, aos reiterados ‘apelos à calma’ dos Banco Centrais. Com efeito, tanto a FED como o BCE têm reafirmado a intenção de manter inalteradas as respectivas taxas de juro, e que a recente subida da inflação se deve a impactos temporários, como a recuperação (de preços muito baixos em 2020) do preço do petróleo (WTI +50,6%, no primeiro semestre) e a constrangimentos nas cadeias de abastecimento globais face à reabertura das economias. Para já os investidores, incluindo nós próprios, parecem concordar a tese da subida moderada, com a inflação esperada, implícita nos preços de mercado dos swaps 5Y5Y, a manter-se relativamente estável nos 2,3% e 1,6% nos Estados-Unidos e na Zona Euro, respectivamente.    Fonte: Bloomberg.   Neste contexto, tal como referido, a Alocação de Activos recomendada mantém-se praticamente inalterada relativamente ao trimestre anterior, e assente nas seguintes premissas: Os Bancos Centrais manterão inalteradas as taxas de juro de referência, no mínimo, nos próximos doze meses; A inclinação das yield curves deverá voltar a aumentar (diferencial entre as taxas de juro nos prazos mais longos e curtos), à medida que os Bancos Centrais se preparam para a diminuição das compras de obrigações nos mercados (tapering); Num mundo de yields reais negativas nas obrigações de Dívida Pública, os spreads de crédito, tanto Investment Grade como High Yield, deverão manter-se em valores mínimos históricos, reflectindo a melhoria das condições económicas e as baixas taxas de incumprimento (default). Por exemplo, segundo os analistas da Bloomberg, em 2021, das empresas constituintes do índice Euro High Yield, apenas uma empresa europeia entrou em default, colocando a referida taxa nos 1,1%. O USD deverá manter-se relativamente forte, na medida em que a subida das yields dos Treasuries favorece a moeda norte-americana relativamente às principais divisas. O movimento de rotação sectorial, iniciado no primeiro trimestre deste ano, ainda não está esgotado. Na nossa opinião, as yields da Dívida Pública estabilizarão em níveis superiores aos actuais (Treasuries a 10 anos na ordem dos 2%), pelo que se justifica uma combinação de sectores Growth com sectores Value, como os Bancos, numa óptica de protecção contra a subida das yields. A volatilidade, em particular das acções, deverá aumentar à medida que os mercados comecem a incorporar o início do tapering pelos Bancos Centrais. Assim, conservamos uma percentagem considerável em Liquidez, como alternativa a Dívida Pública e estabilizador das carteiras face ao antecipado aumento da volatilidade. Na componente de Acções, mantemos a exposição a temas, na nossa opinião, considerados estratégicos a médio-longo prazo, como as Infraestruturas, a Segurança, a Biotecnologia e a Transição Digital, combinados com outros sectores mais tácticos e cíclicos, como os Bancos, nomeadamente na Europa, onde as avaliações relativas são mais interessantes. Entre os mercados emergentes, a principal alteração na Alocação de Activos, é o aumento da exposição à China. Na nossa opinião, para além das avaliações mais atractivas – as acções chinesas transacionam com um Price-Earnings de 14,0x os resultados esperados para 2022, contra os 22,2x do índice S&P-500 –, a economia chinesa está num processo de profunda transformação, de produtor de baixo valor acrescentado para potência tecnológica mundial, porventura a única capaz de fazer frente aos Estados-Unidos.   Fonte: Bloomberg. Banco Invest. ERP - Equity Risk Premium (prémio de risco). Por fim, na componente de Obrigações mantemos a exposição ao segmento de High Yield (HY) global. Na nossa opinião, o cenário de retoma económica e baixas taxas de juro continua favorável para estas empresas, esperando-se uma melhoria das respectivas métricas de risco. Os spreads de crédito encontram-se, contudo, historicamente baixos, pelo que a rendibilidade esperada se situa em torno das actuais yields de mercado (ou seja, ganhos limitados em termos de preço e uma rendibilidade esperada mais em linha com as yields actuais).   Fonte: Bloomberg. Por sua vez, no segmento de Investment Grade (IG) mantemos a exposição a Dívida Híbrida (Hybrid Corporate Bonds, excl-Financials). Na nossa opinião, a dívida Investment Grade senior encontra-se em níveis pouco atractivos a prazo e com um risco de taxa de juro significativo (duration risk); em alternativa, para um risco de crédito semelhante, as obrigações híbridas permitem rendibilidades superiores, embora com maior volatilidade e correlação com os mercados accionistas. Para efeitos de comparação, na Zona Euro, os spreads de crédito de obrigações híbridas investment grade (ex-financials) situam-se acima dos 200 bp, enquanto que nas senior se ficam pelos 46 bp, em média.   Por fim, mantemos a exposição a Dívida Emergente, em moeda local. Na nossa opinião, estas economias continuarão a registar taxas de crescimento, em média, muito superiores às das economias avançadas, suportadas por factores estruturais como a demografia, urbanização e crescimento da classe média, o que combinado com taxas de juro baixas nos Estados-Unidos e negativas na Zona Euro, significa uma alternativa interessante no espectro das obrigações.   Concluindo, apesar da conjuntura económica favorável, as avaliações de alguns activos encontram-se historicamente elevadas, pelo que a diversificação continua a ser fundamental, combinando posições com maior risco e rendibilidade esperada, como é o caso das Acções, com posições de menor risco e retorno, como a Liquidez e o Ouro. Entre as Acções, a abordagem deverá ser global e com exposição às grandes tendências dos próximos anos, como a transição digital e energética.   Paulo Monteiro Redigido em 23 de Junho de 2021 Cotações em 23 de Junho de 2021 Disclaimer: A informação contida neste documento foi elaborada pelo Departamento de Gestão de Activos e tem carácter meramente informativo e particular, utilizando informação económica e financeira disponível ao público e considerada fidedigna. No entanto, a sua precisão não pode ser totalmente garantida e nada obsta a que aquelas fontes possam, a qualquer momento e sem aviso prévio, ser alteradas pelo Banco Invest. As opiniões expressas reflectem o ponto de vista dos autores na data da publicação, sujeitas a correcções, e podem ser diferentes ou contrárias a opiniões expressas por outras áreas do grupo, como resultado da utilização de diferentes critérios e hipóteses. Assim, qualquer alteração verificada nas condições de mercado poderá implicar alterações ao conteúdo informativo deste relatório, cuja exactidão, veracidade, validade e actualidade deverá ser sempre devidamente analisada, avaliada e atestada pelos respectivos destinatários. Não há qualquer periodicidade na emissão dos presentes relatórios. O presente documento é divulgado aos seus destinatários como mera ferramenta de apoio à tomada de decisão de investimento, não devendo nem podendo substituir qualquer julgamento próprio dos seus destinatários, sendo estes, por isso, inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que pratiquem. O presente documento e as eventuais recomendações de investimento aqui contempladas não podem em nenhuma circunstância ser consideradas como consultoria para investimento. O Banco Invest rejeita assim a responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest. Mais se declara inexistirem quaisquer situações de conflito de interesses tendo por objecto o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento, por um lado, e o autor da presente recomendação ou o Banco Invest, SA, por outro. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referenciado neste documento. O Banco Invest, SA encontra-se sujeito à supervisão da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários e do Banco de Portugal.
02.07.2021 10:30
Análise Técnica
Update: EUR/USD
EUR/USD @1.1825   O para volta a estar a negociar claramente abaixo da exponencial dos 200 dias, o que sugere novo teste à zona dos 1.17 ou mesmo uma inversão de direcção dominante. Acima dos 1.2005 (dois fechos diários) teríamos de reavaliar, até lá, esperamos um teste aos mínimos de Março.       Análise Anterior: EUR/USD @1.2255   O par Euro/dólar passou as últimas 5 sessões a consolidar em cima da resistência intermédia que definimos na zona dos 1.22. Os indicadores estão a ficar esgotados, mas a sessão de hoje está a dar nova vida ao MACD diário o que pode suportar o “breakout”.     A consolidação sugere também um objectivo em alta para esse “breakout”, os 1.232. Esta ideia é válida acima dos 1.2240 e é negóciável num “retest”.     Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
23.06.2021 15:29
Análise Técnica
Update: S&P500
S&P500 @ 4219 Desde a nossa última nota (e último sinal de venda no gráfico horário), podemos escrever que “pouco se passou” no índices, continuando a abordagem componente a componente a fazer mais sentido. Fazemos de qualquer forma notar a incapacidade do preço para deixar para trás esta zona e mantêm-se os sinais de alarme no volume e no “momentum”. Temos como referência para o curto prazo os 4180 e os 4240. O índice abriu hoje com mais um forte “gap up”, padrão que tem atraído vendedores e volume. Especial atenção à referência intermédia nos 4220. Continuamos com um “bias” neutro/negativo. Análise Anterior: S&P500 @ 4185 A quebra em fecho horário dos 4188 está feita (nos 4185). O plano sugerido tem como objectivos os 3981 e como “stop” os 4219. Se o índice quebrar os 4130 em negociação, fará sentido alterar o “stop” para o “breakeven”.   Análise Anterior: S&P500 @ 4200 “Os mínimos são eventos e os topos são processos”. Esta máxima tem décadas e traduz de forma muito intuitiva o que é habitual ver nos índices quando “olhamos para trás”. Para além do fecho record do final de Abril/início de Maio, o gráfico semanal apresenta 5 fechos consecutivos no mesmo intervalo (inferior a 1%). Sabemos que tem entrado dinheiro (de retalho) em níveis nunca antes vistos nos fundos norte-americanos e sabemos que a complacência, não estando em máximos, apresenta níveis muito preocupantes para os investidores de prazo mais alargado. O nosso “bias” continua extremamente cauteloso e só deixará de o ser após uma correcção no gráfico diário, preferencialmente após um teste à exponencial dos 200 dias que é visitada praticamente todos os anos (faz sentido relembrar que a dita referência está hoje nos 3762 – mais de 10% abaixo dos níveis de hoje). É importante referir também que estamos apenas a esperar uma correcção de curto prazo, perfeitamente recorrente, mesmo nos “bull markets” mais agressivos. Tecnicamente e pensado apenas no que o comportamento histórico do preço nos “ensina”, olhamos agora apenas para baixo. Os volumes de todas as recuperações têm sido muito fracos, a mostrar uma participação cada vez menor. Alertamos também para o facto de o preço ter claudicado na extensão de Fibonacci de 123.6% no último máximo (4236). Na última nota destacámos os 4188 como o valor que define o nosso posicionamento numa óptica de “trading” de curto prazo, pelo que o plano de hoje terá essa referência como apoio. Sugerimos então uma entrada com um fecho horário abaixo dos 4188, o “stop” será colocado 5 pontos acima do máximo feito entretanto e como o objectivo técnico no gráfico diário dista bastante dos valores actuais, sugerimos um alvo que corresponda a 6 vezes a distância entre o ponto de entrada e o “stop” definido. Mais uma vez e porque o padrão de alta ainda não está invalidado, apenas 1/32 do risco máximo.   Análise Anterior: S&P500 @ 4127.84 - fecho de terça-feira O S&P500 testou o “gap” deixado nos 4188 e reagiu em baixa, com o gráfico horário a confirmar novo sinal de venda nos 4148. O padrão de alta está novamente em dúvida, mesmo após a reacção positiva à exponencial dos 50 dias (o índice reconquistou esta zona após um fecho abaixo, como tem sido hábito), uma vez que desenhou um “lower high” e não conseguiu suplantar os 4188. As próximas sessões irão decerto clarificar se os vários sinais de cansaço dos indicadores terão finalmente implicações no comportamento do preço. Zonas de referência para “trading” no curto prazo 4070, 4110/20, depois os 4150 e por fim o intervalo 4180/90.   Análise Anterior: S&P500 @ 4106 Fazemos notar, mais uma vez, a importância da zona dos 4120 como suporte. Abaixo desta referência temos a exponencial dos 50 dias nos 4070, e a dos 200 nos 3731. Acima dos 4120 o padrão de alta continua intacto. Análise Anterior: S&P500 @ 4122 Também o S&P500 desenhou uma “bull trap” acima da nossa referência de curto prazo, fazendo disparar no breakeven o “stop” para o plano sugerido na última nota. O “gap down” de hoje, na mesma zona do anterior (que fizemos notar na última nota), reforça a nossa de referência para as próximas sessões, agora o intervalo 4188/93. Abaixo desta zona mantemos um bias negativo no curto prazo. Continuamos a ver os 4120 como o suporte que pode adiar uma correcção mais prolongada. Veremos a próxima recuperação como uma oportunidade de venda desde que o preço não reconquiste os 4193. Análise Anterior: S&P500 @ 4163.92 (fecho de terça-feira) O S&P500 abriu ontem com um forte “gap down” que é agora a nossa referência para o curto prazo. Mantemos o objectivo defendido para esta correcção, mas para já sugerimos a alteração do “stop” para o “breakeven”.   Análise Anterior: S&P500 @ 4195 A abertura de hoje aponta para um “gap” de exaustão, mais uma vez com divergências negativas nos indicadores que utilizamos. A tendência de alta continua a ditar as regras mas o sentimento eufórico, aliado às condições referidas, permite a elaboração de um plano com objectivo na exponencial dos 50 dias (hoje nos 4024). Sugerimos então uma entrada nos níveis actuais, 4195, com objectivo nos 4039 (a exponencial dos 50 dias tem inclinação positiva) e como “stop”, os 4221 (rácio retorno/risco de 6).  “Faz sentido assumir apenas 1/16 do risco máximo”   Análise Anterior: S&P500 @ 4165 É evidente a caminhada ascendente deste o último “breakout” (e nota), sempre suportada duas exponenciais de curto prazo no gráfico horário. O índice está a testar a dos 21 períodos, nos 4165. Logo abaixo temos uma importante zona de suporte, o intervalo 4137/50). Para manter o padrão actual, o S&P500 deve aguentar estas referências. Faremos novo “update” se o índice quebrar os 4137. Análise Anterior: S&P500 @ 4004 O índice abriu hoje com mais um forte “gap up”, desta vez claramente acima dos intervalo 3975/80 que travou o índice no último mês. Os sinais de esgotamento não foram debelados, o sentimento continua a denotar euforia (o que obriga a cautelas), mas o “preço é rei”. Acima dos 3975 o bias é positivo e o movimento de alta deve continuar. O fecho de hoje é importante para a confirmação de novo “breakout”. O índice continua sem fazer uma correcção que permita elaborar um plano de entrada, pelo que continuamos a defender uma abordagem componente a componente.   Análise Anterior:S&P500 @ 3909.52 (Fecho de 5ª feira) Depois de um fecho na zona do 1º suporte (3875/99), o índice foi testar a exponencial dos 50 dias, o suporte seguinte referido na última nota. Os movimento mais bruscos costumam ser desenhados contra a tendência vigente e mais uma vez o índice prepara-se para confirmar um sinal de compra no MACD horário, com o preço já muito distante de qualquer zona técnica que permita a elaboração de um plano. Continuamos a alertar para a perda de “momentum” e volume nos movimentos de alta, pelo que vamos continuar com um “bias” muito neutro e continuamos para já a defender e a preferir a abordagem aos seus componentes. Para a continuação desta toada de alta, “basta” que sustente acima dos 3850, mas começa a ser importante que deixe para trás o intervalo 3950/80…   Análise Anterior:S&P500 @ 3940.56 (Fecho de 2ª feira) O índice S&P500 reconquistou as exponenciais de curto prazo com dois “gap up” muito fortes (setas amarelas), continuando a denotar pouco “momentum” nos movimentos ascendentes. A divergência negativa no gráfico diário agrava-se desde a zona dos 3700 pontos, no que se apresenta como o 1º objectivo técnico para uma correcção de curto prazo. Continuamos a fazer notar a distância para a exponencial dos 200 dias, hoje na zona dos 3563. Como referências técnicas para o curto prazo, temos os 3950 como resistência e o intervalo 3875/99 como suporte, seguido da exponencial dos 50 dias (hoje nos 3851). Análise Anterior: S&P500 @ 3765 A abertura positiva de segunda-feira depois da aprovação de mais estímulos causou apenas algum “ruído” técnico no curto prazo, com o índice a voltar rapidamente e com volume, a testar a zona dos 3802 suporte seguinte no gráfico, nas imediações da exponencial dos 50 dias. A quebra trouxe de imediato as zonas seguintes (3767  e 3755), com o índice a fechar ontem nos 3768. Sendo sexta-feira, retomamos o gráfico semanal e a linha de tendência superior do “megafone” que o índice desenhou neste período temporal de análise. O preço está novamente a estar essa zona. Um alerta para a inversão do MACD semanal - destacámos os anteriores sinais.     A figura no gráfico semanal merece toda a nossa atenção, mas para já vamos ficar pela análise à zona dos 3811/20 (o índice esteve lá na recuperação após os números das 13h30). Não reconquistando esta zona e principalmente não aguentando os 3755, devemos esperar um teste aos mínimos do ano. Faremos novo update se o preço conseguir quebrar uma destas zonas (3662 ou 3820). Relembramos também a distância para a exponencial dos 200 dias, hoje nos 3520.       Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
23.06.2021 15:26
Análise Técnica
Update: S&P500
S&P500 @ 4246.44 (fecho de terça-feira) O índice recuperou em duas sessões o que tinha corrigido em 4, com um volume incomparavelmente inferior. Uma distribuição nesta zona é para já o cenário mais expectável (161.8% da última correcção nos 4236), mas o padrão de alta só ficará verdadeiramente em perigo com uma quebra forte da exponencial dos 50 dias (hoje nos 4163). Iremos vigiar de perto o gráfico horário nas próximas horas, considerando a possibilidade de novo sinal de venda nesta zona e a incapacidade para aguentar acima dos 4236. Enquanto não o fizer, continuamos a considerar a abordagem componente a componente, como a mais acertada.     Análise Anterior: S&P500 @ 4219 Desde a nossa última nota (e último sinal de venda no gráfico horário), podemos escrever que “pouco se passou” no índices, continuando a abordagem componente a componente a fazer mais sentido. Fazemos de qualquer forma notar a incapacidade do preço para deixar para trás esta zona e mantêm-se os sinais de alarme no volume e no “momentum”. Temos como referência para o curto prazo os 4180 e os 4240. O índice abriu hoje com mais um forte “gap up”, padrão que tem atraído vendedores e volume. Especial atenção à referência intermédia nos 4220. Continuamos com um “bias” neutro/negativo. Análise Anterior: S&P500 @ 4185 A quebra em fecho horário dos 4188 está feita (nos 4185). O plano sugerido tem como objectivos os 3981 e como “stop” os 4219. Se o índice quebrar os 4130 em negociação, fará sentido alterar o “stop” para o “breakeven”.   Análise Anterior: S&P500 @ 4200 “Os mínimos são eventos e os topos são processos”. Esta máxima tem décadas e traduz de forma muito intuitiva o que é habitual ver nos índices quando “olhamos para trás”. Para além do fecho record do final de Abril/início de Maio, o gráfico semanal apresenta 5 fechos consecutivos no mesmo intervalo (inferior a 1%). Sabemos que tem entrado dinheiro (de retalho) em níveis nunca antes vistos nos fundos norte-americanos e sabemos que a complacência, não estando em máximos, apresenta níveis muito preocupantes para os investidores de prazo mais alargado. O nosso “bias” continua extremamente cauteloso e só deixará de o ser após uma correcção no gráfico diário, preferencialmente após um teste à exponencial dos 200 dias que é visitada praticamente todos os anos (faz sentido relembrar que a dita referência está hoje nos 3762 – mais de 10% abaixo dos níveis de hoje). É importante referir também que estamos apenas a esperar uma correcção de curto prazo, perfeitamente recorrente, mesmo nos “bull markets” mais agressivos. Tecnicamente e pensado apenas no que o comportamento histórico do preço nos “ensina”, olhamos agora apenas para baixo. Os volumes de todas as recuperações têm sido muito fracos, a mostrar uma participação cada vez menor. Alertamos também para o facto de o preço ter claudicado na extensão de Fibonacci de 123.6% no último máximo (4236). Na última nota destacámos os 4188 como o valor que define o nosso posicionamento numa óptica de “trading” de curto prazo, pelo que o plano de hoje terá essa referência como apoio. Sugerimos então uma entrada com um fecho horário abaixo dos 4188, o “stop” será colocado 5 pontos acima do máximo feito entretanto e como o objectivo técnico no gráfico diário dista bastante dos valores actuais, sugerimos um alvo que corresponda a 6 vezes a distância entre o ponto de entrada e o “stop” definido. Mais uma vez e porque o padrão de alta ainda não está invalidado, apenas 1/32 do risco máximo.   Análise Anterior: S&P500 @ 4127.84 - fecho de terça-feira O S&P500 testou o “gap” deixado nos 4188 e reagiu em baixa, com o gráfico horário a confirmar novo sinal de venda nos 4148. O padrão de alta está novamente em dúvida, mesmo após a reacção positiva à exponencial dos 50 dias (o índice reconquistou esta zona após um fecho abaixo, como tem sido hábito), uma vez que desenhou um “lower high” e não conseguiu suplantar os 4188. As próximas sessões irão decerto clarificar se os vários sinais de cansaço dos indicadores terão finalmente implicações no comportamento do preço. Zonas de referência para “trading” no curto prazo 4070, 4110/20, depois os 4150 e por fim o intervalo 4180/90.   Análise Anterior: S&P500 @ 4106 Fazemos notar, mais uma vez, a importância da zona dos 4120 como suporte. Abaixo desta referência temos a exponencial dos 50 dias nos 4070, e a dos 200 nos 3731. Acima dos 4120 o padrão de alta continua intacto. Análise Anterior: S&P500 @ 4122 Também o S&P500 desenhou uma “bull trap” acima da nossa referência de curto prazo, fazendo disparar no breakeven o “stop” para o plano sugerido na última nota. O “gap down” de hoje, na mesma zona do anterior (que fizemos notar na última nota), reforça a nossa de referência para as próximas sessões, agora o intervalo 4188/93. Abaixo desta zona mantemos um bias negativo no curto prazo. Continuamos a ver os 4120 como o suporte que pode adiar uma correcção mais prolongada. Veremos a próxima recuperação como uma oportunidade de venda desde que o preço não reconquiste os 4193. Análise Anterior: S&P500 @ 4163.92 (fecho de terça-feira) O S&P500 abriu ontem com um forte “gap down” que é agora a nossa referência para o curto prazo. Mantemos o objectivo defendido para esta correcção, mas para já sugerimos a alteração do “stop” para o “breakeven”.   Análise Anterior: S&P500 @ 4195 A abertura de hoje aponta para um “gap” de exaustão, mais uma vez com divergências negativas nos indicadores que utilizamos. A tendência de alta continua a ditar as regras mas o sentimento eufórico, aliado às condições referidas, permite a elaboração de um plano com objectivo na exponencial dos 50 dias (hoje nos 4024). Sugerimos então uma entrada nos níveis actuais, 4195, com objectivo nos 4039 (a exponencial dos 50 dias tem inclinação positiva) e como “stop”, os 4221 (rácio retorno/risco de 6).  “Faz sentido assumir apenas 1/16 do risco máximo”   Análise Anterior: S&P500 @ 4165 É evidente a caminhada ascendente deste o último “breakout” (e nota), sempre suportada duas exponenciais de curto prazo no gráfico horário. O índice está a testar a dos 21 períodos, nos 4165. Logo abaixo temos uma importante zona de suporte, o intervalo 4137/50). Para manter o padrão actual, o S&P500 deve aguentar estas referências. Faremos novo “update” se o índice quebrar os 4137. Análise Anterior: S&P500 @ 4004 O índice abriu hoje com mais um forte “gap up”, desta vez claramente acima dos intervalo 3975/80 que travou o índice no último mês. Os sinais de esgotamento não foram debelados, o sentimento continua a denotar euforia (o que obriga a cautelas), mas o “preço é rei”. Acima dos 3975 o bias é positivo e o movimento de alta deve continuar. O fecho de hoje é importante para a confirmação de novo “breakout”. O índice continua sem fazer uma correcção que permita elaborar um plano de entrada, pelo que continuamos a defender uma abordagem componente a componente.   Análise Anterior:S&P500 @ 3909.52 (Fecho de 5ª feira) Depois de um fecho na zona do 1º suporte (3875/99), o índice foi testar a exponencial dos 50 dias, o suporte seguinte referido na última nota. Os movimento mais bruscos costumam ser desenhados contra a tendência vigente e mais uma vez o índice prepara-se para confirmar um sinal de compra no MACD horário, com o preço já muito distante de qualquer zona técnica que permita a elaboração de um plano. Continuamos a alertar para a perda de “momentum” e volume nos movimentos de alta, pelo que vamos continuar com um “bias” muito neutro e continuamos para já a defender e a preferir a abordagem aos seus componentes. Para a continuação desta toada de alta, “basta” que sustente acima dos 3850, mas começa a ser importante que deixe para trás o intervalo 3950/80…   Análise Anterior:S&P500 @ 3940.56 (Fecho de 2ª feira) O índice S&P500 reconquistou as exponenciais de curto prazo com dois “gap up” muito fortes (setas amarelas), continuando a denotar pouco “momentum” nos movimentos ascendentes. A divergência negativa no gráfico diário agrava-se desde a zona dos 3700 pontos, no que se apresenta como o 1º objectivo técnico para uma correcção de curto prazo. Continuamos a fazer notar a distância para a exponencial dos 200 dias, hoje na zona dos 3563. Como referências técnicas para o curto prazo, temos os 3950 como resistência e o intervalo 3875/99 como suporte, seguido da exponencial dos 50 dias (hoje nos 3851). Análise Anterior: S&P500 @ 3765 A abertura positiva de segunda-feira depois da aprovação de mais estímulos causou apenas algum “ruído” técnico no curto prazo, com o índice a voltar rapidamente e com volume, a testar a zona dos 3802 suporte seguinte no gráfico, nas imediações da exponencial dos 50 dias. A quebra trouxe de imediato as zonas seguintes (3767  e 3755), com o índice a fechar ontem nos 3768. Sendo sexta-feira, retomamos o gráfico semanal e a linha de tendência superior do “megafone” que o índice desenhou neste período temporal de análise. O preço está novamente a estar essa zona. Um alerta para a inversão do MACD semanal - destacámos os anteriores sinais.     A figura no gráfico semanal merece toda a nossa atenção, mas para já vamos ficar pela análise à zona dos 3811/20 (o índice esteve lá na recuperação após os números das 13h30). Não reconquistando esta zona e principalmente não aguentando os 3755, devemos esperar um teste aos mínimos do ano. Faremos novo update se o preço conseguir quebrar uma destas zonas (3662 ou 3820). Relembramos também a distância para a exponencial dos 200 dias, hoje nos 3520.       Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
23.06.2021 15:24
Análise Técnica
Update: Dollar Index
Dollar Index @ 91.67   O preço confirmou as nossas expectativas, apoiado no elevado pessimismo dos intervenientes. O teste à exponencial dos 200 dias está feito, mas o DXY continua acima da referência nos 91. O nosso bias é agora neutro e será de capital importância perceber o que “vai ceder primeiro”, se as exponenciais de curto prazo que suportam o preço, ou a resistência na exponencial dos 200 dias. Alertamos novamente para a expectativa generalizada que é normalmente “contrariada” pelo preço…     Análise Anterior: Dollar Index @ 90.10   O “Dollar” Index aparenta estar novamente a desenhar uma base semelhante à do início do ano. Esta possibilidade ganha importância quando constatamos um generalisado pessimismo em relação ao dólar contra os seus maiores pares. No curto prazo vamos monitorizar os 0.89/0.895 como suporte e os 0.91 como resistência.     Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
21.06.2021 09:10
Análise Técnica
Update: EUROSTOXX50
Eurostoxx50 @ 4083.37 (fecho de sexta-feira) O índice marcou novos máximos mas bastou uma sessão para o colocar novamente na importante zona dos 4080 e anular as últimas 10 sessões! O nosso “bias continua negativo.     O gráfico horário desenhou nova divergência negativa e fechou a sessão em cima da expoencial dos 200 períodos, obrigando a alguma atenção nas próximas horas. A quebra desta referência deve trazer finalmente o teste aos 3920. Suporte intermédio no intervalo 4020/40.   Análise Anterior: Eurostoxx50 @ 4090 O índice está a testar o 1º suporte na exponencial das 50 horas (1º suporte). Um fecho horário abaixo dos 4087 ou a quebra em negociação dos 4080 obrigaria a : - Alterar o “stop” do 1º plano para o “breakeven” - Alterar o “stop do 2º plano para os 4124 (reduzindo para metade o risco assumido). Análise Anterior: Eurostoxx50 @ 4104 O “grinding higher” continua sem recuos, com as divergências a acumularem-se (o mercado está claramente à espera do BCE e dos dados da inflação nos EUA na próxima quinta-feira). O sentimento e o momentum são o pilar que suporta o nosso bias”, mas o padrão do preço obriga a ter a nossa expectativa como de alto risco no curto prazo. Insistimos na ideia que temos defendido: “os mínimos são eventos e os topos são processos”. A exponencial dos 200 dias, referência regularmente visitada, está na zona dos 3700 e é esse o nosso objectivo para uma correcção de curto prazo. A zona dos 4040, anterior resistência de curto prazo, permanece como valor a ter em conta num movimento de curto prazo, pelo que sugerimos duas ideias, com entrada no nível actual do índice (4104): - Venda com objectivo nos 4044 e com “stop” @ 4124 (rácio retorno/risco de 3) - Venda com objectivo nos 3704 e um “stop” @ 4144 (rácio retorno/risco de 10) Lembramos que o padrão de alta, mesmo com vários sinais de alarme técnicos, ainda vigora, pelo que sugerimos apenas 1/32 do risco máximo para os dois planos. Análise Anterior: Eurostoxx50 @4032 O índice continua incapaz de suplantar de forma consistente a zona de resistência que temos monitorizado (4040). Assinalámos a entrada sugerida ontem e reiteramos o objectivo nos 3918. Se o Eurostoxx50 negociar abaixo dos 3999 sugerimos uma alteração do “stop” para o “breakeven” (entrada @ 4038).     Análise Anterior: Eurostoxx50 @4048 Mais uma abertura em “gap up” na zona de resistência, o que é o mesmo que dizer, nova tentativa de “breakout” sem volume. A participação dos intervenientes tem sido cada vez menor, mas não podemos descartar a possibilidade de o preço conseguir suplantar esta zona. Por outro lado, a incapacidade para mais uma vez não aguentar os 4040, terá o nosso total interesse numa óptica de “trading”, pelo que sugerimos um “trigger” de venda nos 4038, com um “stop” nos 4058 e como objectivo, os 3918 (rácio retorno/risco de 6). Continuamos com apenas 1/32 do risco máximo.     Análise Anterior: Eurostoxx50 @3944   Não esperávamos novo “gap” de exaustão na mesma zona e novos máximos (por 3 pontos), mas a reacção posterior reforça a importância da resistência e a nossa expectativa. O cenário é claramente mais “bearish” neste momento e continuamos a ter como válidos os objectivos em baixa. Mais uma vez iremos esperar por uma recuperação para elaborar novo plano de entrada. A quebra da zona dos mínimos anteriores (junto aos 3860) pode obrigar a reavaliar os gráficos de prazo mais alargado.     Análise Anterior: Eurostoxx50 @4012.5   O índice voltou a aguentar na zona da exponencial dos 50 dias e em duas sessões encostou à zona de máximos do último mês, mantendo os sinais de alarme que levaram à sugestão dos planos anteriores. O gráfico horário volta a mostrar um sinal de venda, reforçando a importância desta resistência, pelo que sugerimos nova entradanos níveis actuais (4012.5), com um “stop” nos 4042.5 e como objectivo os 3832.5 (rácio retorno/risco de 8). Vamos para já manter apenas 1/32 do risco máximo.     Análise Anterior: Eurostoxx50 @3955   O final da semana passada trouxe novo “rally”, mais uma vez com fraco volume e momentum, que de qualquer forma acabaram por atingir os nossos “stops” (no breakeven). Tecnicamente o nosso cenário “bearish” continua válido e até sai reforçado, mas obriga agora a esperar por nova recuperação até uma zona de resistência para a elaboração de um novo plano. Lembramos que o 1º objectivo no gráfico diário está abaixo dos 3900.     Análise Anterior: Eurostoxx50 @3970   O índice acabou mesmo por recuar, tendo já negociado abaixo dos mínimos relativos anteriores neste período temporal de análise. Sugerimos para já a alteração dos dois “stops” para o “breakeven” e se o índice quebrar os 3950, nova alteração do “stop” do Plano 1 para os 3974. Se continuar a correcção e quebrar os mínimos de ontem (3918), nova alteração para os 3954. Mantemos os objectivos para os dois planos.     Análise Anterior: Eurostoxx50 @ 4014   O padrão de alta do preço não sofre contestação, pelo que a ideia que vamos sugerir em seguida envolve riscos acrescidos por ser contrária à tendência dominante. O gráfico diário pode estar a desenhar um “lower high” depois de vincar novas divergências negativas nos últimos máximos.     Olhando para o gráfico horário, constatamos que também neste período temporal o preço está a desenhar divergências negativas. Sugerimos então dois planos:   1 – Entrada nos níveis actuais (4014) com um “stop” @ 4034 e como objectivo os 3864 (na zona da exponencial dos 50 dias) – Rácio retorno/risco de 7.5 2 – Entrada nos níveis actuais (4014), com um “stop” @ 4064 e como objectivo os 3614 (acima da exponencial dos 200 dias) – Rácio retorno/risco de 8.   Para qualquer um dos planos defendemos apenas 1/32 do risco máximo   Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
09.06.2021 11:15
Análise Técnica
Update: EUROSTOXX50
Eurostoxx50 @ 4090 O índice está a testar o 1º suporte na exponencial das 50 horas (1º suporte). Um fecho horário abaixo dos 4087 ou a quebra em negociação dos 4080 obrigaria a : - Alterar o “stop” do 1º plano para o “breakeven” - Alterar o “stop do 2º plano para os 4124 (reduzindo para metade o risco assumido). Análise Anterior: Eurostoxx50 @ 4104 O “grinding higher” continua sem recuos, com as divergências a acumularem-se (o mercado está claramente à espera do BCE e dos dados da inflação nos EUA na próxima quinta-feira). O sentimento e o momentum são o pilar que suporta o nosso bias”, mas o padrão do preço obriga a ter a nossa expectativa como de alto risco no curto prazo. Insistimos na ideia que temos defendido: “os mínimos são eventos e os topos são processos”. A exponencial dos 200 dias, referência regularmente visitada, está na zona dos 3700 e é esse o nosso objectivo para uma correcção de curto prazo. A zona dos 4040, anterior resistência de curto prazo, permanece como valor a ter em conta num movimento de curto prazo, pelo que sugerimos duas ideias, com entrada no nível actual do índice (4104): - Venda com objectivo nos 4044 e com “stop” @ 4124 (rácio retorno/risco de 3) - Venda com objectivo nos 3704 e um “stop” @ 4144 (rácio retorno/risco de 10) Lembramos que o padrão de alta, mesmo com vários sinais de alarme técnicos, ainda vigora, pelo que sugerimos apenas 1/32 do risco máximo para os dois planos. Análise Anterior: Eurostoxx50 @4032 O índice continua incapaz de suplantar de forma consistente a zona de resistência que temos monitorizado (4040). Assinalámos a entrada sugerida ontem e reiteramos o objectivo nos 3918. Se o Eurostoxx50 negociar abaixo dos 3999 sugerimos uma alteração do “stop” para o “breakeven” (entrada @ 4038).     Análise Anterior: Eurostoxx50 @4048 Mais uma abertura em “gap up” na zona de resistência, o que é o mesmo que dizer, nova tentativa de “breakout” sem volume. A participação dos intervenientes tem sido cada vez menor, mas não podemos descartar a possibilidade de o preço conseguir suplantar esta zona. Por outro lado, a incapacidade para mais uma vez não aguentar os 4040, terá o nosso total interesse numa óptica de “trading”, pelo que sugerimos um “trigger” de venda nos 4038, com um “stop” nos 4058 e como objectivo, os 3918 (rácio retorno/risco de 6). Continuamos com apenas 1/32 do risco máximo.     Análise Anterior: Eurostoxx50 @3944   Não esperávamos novo “gap” de exaustão na mesma zona e novos máximos (por 3 pontos), mas a reacção posterior reforça a importância da resistência e a nossa expectativa. O cenário é claramente mais “bearish” neste momento e continuamos a ter como válidos os objectivos em baixa. Mais uma vez iremos esperar por uma recuperação para elaborar novo plano de entrada. A quebra da zona dos mínimos anteriores (junto aos 3860) pode obrigar a reavaliar os gráficos de prazo mais alargado.     Análise Anterior: Eurostoxx50 @4012.5   O índice voltou a aguentar na zona da exponencial dos 50 dias e em duas sessões encostou à zona de máximos do último mês, mantendo os sinais de alarme que levaram à sugestão dos planos anteriores. O gráfico horário volta a mostrar um sinal de venda, reforçando a importância desta resistência, pelo que sugerimos nova entradanos níveis actuais (4012.5), com um “stop” nos 4042.5 e como objectivo os 3832.5 (rácio retorno/risco de 8). Vamos para já manter apenas 1/32 do risco máximo.     Análise Anterior: Eurostoxx50 @3955   O final da semana passada trouxe novo “rally”, mais uma vez com fraco volume e momentum, que de qualquer forma acabaram por atingir os nossos “stops” (no breakeven). Tecnicamente o nosso cenário “bearish” continua válido e até sai reforçado, mas obriga agora a esperar por nova recuperação até uma zona de resistência para a elaboração de um novo plano. Lembramos que o 1º objectivo no gráfico diário está abaixo dos 3900.     Análise Anterior: Eurostoxx50 @3970   O índice acabou mesmo por recuar, tendo já negociado abaixo dos mínimos relativos anteriores neste período temporal de análise. Sugerimos para já a alteração dos dois “stops” para o “breakeven” e se o índice quebrar os 3950, nova alteração do “stop” do Plano 1 para os 3974. Se continuar a correcção e quebrar os mínimos de ontem (3918), nova alteração para os 3954. Mantemos os objectivos para os dois planos.     Análise Anterior: Eurostoxx50 @ 4014   O padrão de alta do preço não sofre contestação, pelo que a ideia que vamos sugerir em seguida envolve riscos acrescidos por ser contrária à tendência dominante. O gráfico diário pode estar a desenhar um “lower high” depois de vincar novas divergências negativas nos últimos máximos.     Olhando para o gráfico horário, constatamos que também neste período temporal o preço está a desenhar divergências negativas. Sugerimos então dois planos:   1 – Entrada nos níveis actuais (4014) com um “stop” @ 4034 e como objectivo os 3864 (na zona da exponencial dos 50 dias) – Rácio retorno/risco de 7.5 2 – Entrada nos níveis actuais (4014), com um “stop” @ 4064 e como objectivo os 3614 (acima da exponencial dos 200 dias) – Rácio retorno/risco de 8.   Para qualquer um dos planos defendemos apenas 1/32 do risco máximo   Disclaimer O presente documento é privado e confidencial, tendo sido preparado pelo Banco Invest, S.A. (“Banco Invest”). A informação contida neste documento tem carácter meramente informativo, sendo divulgada como mera ferramenta de apoio, não podendo desencadear, ou justificar, qualquer acção ou omissão, sustentar qualquer operação, nem substituir qualquer aferição ou julgamento próprios dos destinatários, sendo estes inteiramente responsáveis pelos actos e omissões que adoptem, bem como por toda e qualquer operação efectivada e relacionada, ainda que indirecta e remotamente, com o conteúdo do presente documento. Adverte-se, igualmente, os destinatários para o facto de este documento ter sido elaborado utilizando informação económica e financeira disponível ao público, e considerada fidedigna, não garantindo o Banco Invest a sua total precisão, sendo o seu conteúdo e as respectivas fontes susceptíveis de alteração em função de um qualquer factor que modifique os pressupostos que serviram de base à apresentação dos mesmos. O Banco Invest não assume, assim, qualquer responsabilidade por quaisquer eventuais danos ou prejuízos resultantes, directa ou indirectamente da utilização da informação referida neste documento, independentemente da forma ou natureza que possam vir a revestir. Mais se adverte que a presente informação não foi elaborada com nenhum objectivo específico e concreto de investimento, não assumindo o Banco Invest qualquer obrigação de resultado. Ademais, declara-se não existirem quaisquer situações de conflitos de interesses tendo por objecto, por um lado, o título e/ou emitente a que se reporta o presente documento e, por outro lado, o autor do presente documento ou o Banco Invest. O Banco Invest, ou os seus colaboradores, poderão deter, a qualquer momento, uma posição sujeita a alterações, em qualquer título referido neste documento. Não é permitida a reprodução total ou parcial deste documento, sem autorização prévia do Banco Invest.  
02.08.2021 07:24
ChartBook US Macro
02 de Agosto de 2021
[ download ]
02.08.2021 07:24
ChartBook Forex
02 de Agosto de 2021
[ download ]
02.08.2021 07:18
ChartBook EUR Macro
02 de Agosto de 2021
[ download ]
02.08.2021 07:17
ChartBook Commodities
02 de Agosto de 2021
[ download ]
02.08.2021 07:17
ChartBook Sectores
02 de Agosto de 2021
[ download ]
02.08.2021 07:17
ChartBook PMI
02 de Agosto de 2021
[ download ]
02.08.2021 07:16
Masterlist Portugal
02 de Agosto de 2021
[ download ]
Wall Street negoceia no verde com a excepção do índice Nasdaq, após ter sido anunciado que os EUA atingiram 70% da população adulta vacinada contra a Covid-19 com, pelo menos, uma dose. No entanto, a Casa Branca defendeu hoje que “chegou o momento” de alargar as obrigações de vacinação e não excluiu a imposição de um mandato de vacinação a nível nacional no futuro. Em termos empresariais, os resultados da Eli Lilly, Ralph Lauren e da Simon Property superaram as estimativas mas Corsair, Clorox e Take-Two reagiram negativamente aos resultados.
As acções da Netflix foram as que mais valorizaram nos últimos de 30 anos, seguindo pelas da Amazon.com e Monster Beverage.
De acordo com os dados da Refinitiv, o lucro do 2.º trimestre das empresas do índice Stoxx 600 deverá subir 139,6%, um aumento recorde desde os 120,8% previstos na semana passada. As receitas também foram revistas em alta para 23,6% de 21,5%.
O índice de preços ao produtor na zona Euro subiu 1,4% em Junho de 1,3% em Maio, em linha com o esperado pelos economistas.
A dívida mundial que regista taxas de juro abaixo de zero, aumentou para 16,50 biliões de dólares hoje, segundo os dados do índice da Bloomberg/Barclays, regressando aos valores registados em Fevereiro deste ano. O movimento dos juros indica uma maior procura de obrigações, surge num momento em que os economistas prevêem um abrandamento da economia global depois de uma recuperação robusta, com o BCE a manter os estímulos em vigor por mais tempo e a Fed a reduzir os estímulos dentro de alguns meses.
O sector tecnológico na Europa está a pressionar as acções europeias hoje, após um artigo no jornal estatal chinês ter afirmado que os videojogos são como uma droga para os adolescentes e teme-se agora uma possível regulação mais apertada nos videojogos disponibilizados na China. As acções da empresa holandesa Prosus estão a afundar 5,69% porque tem uma participação de 5% na tecnológica chinesa Tencent. A fabricante alemã de chips Infineon Technologies também estão a descer 0,49% após os resultados em linha com o esperado mas a empresa alertou que as dificuldades operacionais nas suas fábricas no Texas e na Malásia deverão condicionar a produção.
A época de resultados do segundo trimestre continua a ser o foco dos investidores com cerca de um terço das empresas do índice Stoxx 600 já terem apresentado as suas contas. Hoje várias empresas divulgam os seus resultados como, a BMW, British Petroleum, Infineon, Société Générale e Stellantis. Na Ásia, o índice Nikkei 225 fechou a cair 0,50% após a inflação no Japão em Julho ter descido 0,1% em termos homólogos, aquém da subida de 0,1% antecipada pelos economistas. As praças chinesas registaram um dia no vermelho após o aumento da variante Delta em várias regiões na China. Os índices norte-americanos encerraram em leve queda, com os investidores mais receosos em relação ao aumento do número de casos da variante altamente contagiosa da Covid-19, a Delta que poderá afectar o crescimento económico dos Estados Unidos. A actividade industrial nos EUA continuou robusta em Julho mas abrandou de certa forma comparando com os meses anteriores, uma vez que os problemas nas cadeias de fornecimento continuaram a agir como uma penalização ao crescimento. Dados Macroeconómicos:  08h00: Desemprego (Jul)  10h00: Índice de Preços ao Produtor (Jun)  15h00: Encomendas às Fábricas e Bens Duradouros (Jun) Eventos: Resultados Empresariais:  Corticeira Amorim (DF)   Infineon Technologies (06h30), Bayerische Motoren Werke, Société Générale (AA), TeamViewer AG (AA), Poste Italiane SpA, BP PLC (AA)  Under Armour Inc (11h55), Phillips 66 (AA), ConocoPhillips (AA), Eli Lilly & Co (AA), Marriott International (12h00), Ralph Lauren (13h00), Akamai Technologies Inc (DF), Activision Blizzard Inc (DF), Microchip Technology Inc (DF), Amgen Inc (DF) Estes são os principais destaques da imprensa hoje:  Novo Banco: De prejuízos a terceiro maior lucro da banca  Setor têxtil teme mais falências no vestuário  chips e ausência de turistas afundam a venda de carros  Alemães somam projetos de 4,3 mil milhões no solar  Governo fecha porta a reforço de vagas para compensar más notas nos exames  Médicos e pais às escuras sobre lista de doenças de crianças a vacinar  Banca: Sete anos depois da resolução do BES ainda se lambem as feridas  Falta de máscara e festas ilegais originam dezenas de multas nas praias  Quebra inédita de nascimentos em Lisboa e Porto  Vacina. Abriu autoagendamento para 16 ou mais  Produção agrícola da Sovena “tem desperdício zero”
As próximas semanas serão caracterizadas pela fraca liquidez devido às férias de Verão em que a maioria dos intervenientes ausentam-se dos mercados financeiros. Prevê-se um mês tranquilo em que as bolsas deverão continuar suportadas pela forte recuperação económica e pelos resultados empresariais. Os bancos centrais continuam a prestar apoio e teremos que aguardar pela reunião de  banqueiros centrais em Jackson Hole entre os dias 26 e 28 de Agosto para ter mais pistas sobre a política monetária da Reserva Federal. O índice S&P 500 conseguiu valorizar durante seis meses consecutivos e, em termos históricos, um ano após uma série de 6 meses de ganhos, o índice S&P 500 valorizou 18 de 21 vezes, com uma rendibilidade média de 11,9%.
Os juros das obrigações soberanas estão a atingir mínimos tendo em conta que não se esperam alterações iminentes na política monetária do Banco Central Europeu. Na Alemanha, os juros das obrigações alemãs a 30 anos desceram para valores negativos pela primeira vez desde 5 de Fevereiro.
Quase um terço das empresas do índice S&P 500 apresentam os seus resultados trimestrais esta semana. Com 60% das empresas já terem reportado as suas contas, 86% das empresas superaram as expectativas dos analistas. As surpresas positivas têm sido amplamente recompensadas. Esta semana 150 empresas do índice S&P 500 apresentam os seus resultados: Segunda-feira, 2 🌞Ferrari 🌜NXP Semi, Take-Two, SPG Terça-feira, 3 🌞Alibaba, Eli Lilly 🌜Amgen, ATVI, OXY, Lyft Quarta-feira, 4 🌞CVS, GM, KHC, RCL 🌜Uber, Roku, MetLife, EA, Etsy Quinta-feira, 5 🌞Moderna 🌜Square, Virgin Galactic, Beyond Meat Sexta-feira, 6 🌞Dominion, DraftKings
Os analistas nunca tiveram tão optimistas em relação às bolsas norte-americanas em quase duas décadas.  A forte época de resultados, que coloca o índice S&P 500 em linha para registar um crescimento acumulado dos lucros das suas cotadas em 60% no segundo trimestre, em comparação com o ano passado, tem impulsionado os índices norte-americanos. O índice S&P 500 valoriza 17,02% desde o início do ano e o índice Nasdaq Composite ganha 13,85%
Os consumidores nas maiores economias do mundo pouparam 5 biliões de dólares durante as restrições da Covid-19. Esta poupança poderá impulsionar a economia após a recessão causada pela pandemia e, segundo a Goldman Sachs, poderá explicar a resiliência das bolsas.
O índice Stoxx 600 atingiu um novo máximo recorde hoje de 465,84 pontos logo a seguir à abertura dos mercados europeus animado pelos resultados do maior banco da Europa e depois da Parker-Hannifin ter avançado que pretende comprar a sua rival Meggitt. Estes são os principais destaques: • Meggitt (MGGT LN): A companhia aeronáutica britânica Meggitt atingiu máximos recorde hoje, depois da empresa norte-americana Parker-Hannifin ter dito que compraria a rival britânica num negócio que a avalia em 6,3 mil milhões de libras. • HSBC (HSBA LN): Lucro antes de impostos do 1.º semestre superam previsões mas receitas foram aquém. O banco  pretende restabelecer o pagamento de dividendos. - Lucro antes de impostos €5,56 mil mn vs €4,73 mil mn Est. - Receitas: €12,52 mil mn vs €12,57 mil mn Est.  • AXA (CS FP): A seguradora francesa apresentou um lucro líquido semestral acima das estimativas. A AXA estima um custo de €400 mn, antes de impostos e líquido de resseguros, associado com as cheias que atingiram alguns países europeus. - Resultado Líquido: €4 mil mn vs €3,43 mil mn Est. - Receitas: €53,87 mil mn vs €53,35 mil mn Est. • Heineken (HEIA NA): Resultados superam previsões e  Para o ano fiscal, a empresa ainda prevê um resultado financeiro abaixo de 2019 devido ao aumento no preço das matérias-primas.   - Resultado Operacional Ajustado: €1,63 mil mn vs €1,23 mil mn Est. - Receitas: €9,97 mil mn vs €9,87 mil mn Est.
O índice PMI do sector industrial aumentou para 62,8 pontos em Julho, de 62,6 pontos em Junho, superando os 62,6 pontos estimados.  O sector industrial tem expandido de forma constante desde Julho de 2020, com a leitura mais recente apenas ligeiramente abaixo do recorde histórico de Junho. O índice PMI do sector industrial desceu em todos os países excepto Alemanha.
O índice Stoxx 600 valorizou 2% em Julho, o seu sexto mês consecutivo de ganhos e a melhor série desde 2013. Esta semana aguarda-se mais resultados empresariais, com destaque para a Adidas, BMW, Deutsche Post e HSBC. O foco desta semana será a divulgação na Sexta-feira do relatório de empregos dos Estados do mês de Julho e espera-se uma melhoria do mercado laboral. Na Ásia, o índice Nikkei 225 fechou a subir 1,82% depois do índice PMI do sector industrial ter subido para 53 pontos em Julho, acima dos 52,2 pontos do mês anterior. As praças chinesas encerraram no verde, apesar do índice PMI do sector industrial ter recuado para 50,3 pontos em Julho, aquém das expectativas de 51 pontos e atingindo um mínimo de 16 meses. Hoje entrará em vigor, nos Estados Unidos, a proibição de investir em 59 empresas chinesas, com ligação às autoridades do país. As bolsas norte-americanas encerraram no vermelho, apesar do índice S&P 500 também ter valorizado pelo sexto mês, o que não acontecia desde 1918. As acções da Amazon penalizaram os índices com uma queda superior a 7% devido aos seus resultados decepcionantes e também depois de ter sido multada pelo regulador da protecção de dados do Luxemburgo, num montante de €746 mn. A inflação associada ao consumo aumentou menos do que os economistas esperavam pela primeira vez nos últimos meses reforçando o facto de que a inflação poderá mesmo ser transitória. Dados Macroeconómicos:  01h30: Índice PMI (Jul)   02h45: Índice PMI (Jul)  06h00: Confiança do Consumidor (Jul)  06h00: Venda de Veículos (Jul)  07h00: Vendas a Retalho (Jun)  08h15: Índice PMI Industrial (Jul)  08h45: Índice PMI Industrial (Jul)  08h50: Índice PMI Industrial (Jul)  08h55: Índice PMI Industrial (Jul)  09h00: Índice PMI Industrial (Jul)  09h30: Índice PMI Industrial (Jul)  11h00: Produção Industrial (Jun)  14h45: Índice PMI Industrial (Jul) Resultados Empresariais:  HSBC Holdings PLC (05h00), AXA SA (06h00), Heineken NV, Ferrari NV (aa)  NXP Semiconductors NV (DF), Mosaic Co/The (DF), Take-Two Interactive Software (DF), American Water Works Co Inc (DF) Estes são os principais destaques da imprensa hoje:  Escrituras e divórcios passam a poder ser feitos à distância  Há 10 anos que a Caixa não dava tanto crédito à habitação  Febre dos "cheques em branco" chega à Europa  Sonae vende 25% para avaliar mais oportunidades de investimento  BPI com menos pressão para vender Angola  Crianças dos 12 a 15 anos podem ser vacinados contra a Cvoid, desde que o pediatra recomende  Quatro em cada dez portugueses não fazem férias fora de casa  "Clubes de Homens" impedem mulheres de liderar Câmaras  Saúde militar ainda deve 37 milhões ao privado
Tendência de Investimento
Água
21.05.2021
Hoje Eventos Resultados Feriados
  • 8
    3
    [es]08h00: Desemprego (Jul)
    [eu]10h00: Índice de Preços ao Produtor (Jun)
    [us]15h00: Encomendas às Fábricas e Bens Duradouros (Jun)
    [eu]Resultados Empresariais: Infineon Technologies AG (06h30), Bayerische Motoren Werke AG, Societe Generale SA (AA), TeamViewer AG (AA), Poste Italiane SpA, BP PLC (AA)
    [us]Resultados Empresariais: Under Armour Inc (11h55), Phillips 66 (AA), ConocoPhillips (AA), Eli Lilly & Co (AA), Marriott International Inc/MD (12h00), Ralph Lauren Corp (13h00), Akamai Technologies Inc (DF), Activision Blizzard Inc (DF), Microchip Technology Inc (DF), Amgen Inc (DF)
  • 8
    4
    [fr]07h45: Balança Orçamental (Jun)
    [it]09h00: Vendas a Retalho (Jun)
    [eu]10h00: Vendas a Retalho (Jun)
    [us]15h30: Reservas Semanais de Energia
    Índice PMI Services e Composite (Jul): Japão (01h30), China (02h45), Espanha (08h15), Itália (08h45), França (08h50), Alemanha (08h55), Zona Euro (09h00), Reino Unido (09h30), EUA (14h45)
    [eu]Resultados Empresariais: Siemens Energy AG (AA), Intesa Sanpaolo SpA (AA), Commerzbank AG (AA)
    [us]Resultados Empresariais: CVS Health Corp (AA), Kraft Heinz Co/The (AA), Royal Caribbean Cruises Ltd (AA), General Motors Co (12h30), Booking Holdings Inc (21h00), MGM Resorts International (DF), Etsy Inc (DF), MetLife Inc (DF), Electronic Arts Inc (DF), Wynn Resorts Ltd (DF)
  • 8
    5
    [de]07h00: Encomendas às Fábricas (Jun)
    [fr]07h45: Produção Industrial e Produção Industrial (Jun)
    [uk]12h00: Decisão da Taxa de juro pela BOE
    [us]13h30: Balança Comercial (Jun)
    [us]13h30: Pedidos Semanais de Subsídio de Desemprego
    [eu]Resultados Empresariais: Deutsche Post AG (06h00), Siemens AG (06h00), Merck KGaA (06h00), Deutsche Lufthansa AG (06h00), Bayer AG (06h30), Galapagos NV (AA), Rolls-Royce Holdings PLC (AA), Continental AG, Novo Nordisk A/S (AA), Credit Agricole SA (AA), adidas AG (AA)
    [us]Resultados Empresariais: Zoetis Inc, ViacomCBS Inc (AA), Moderna Inc (AA), Regeneron Pharmaceuticals Inc (AA), Motorola Solutions Inc (DF), Expedia Group Inc (DF)
  • 8
    6
    [fr]07h45: Balança Comercial (Jun)
    Produção Industrial (Jun): Alemanha (07h00), Espanha (08h00) e Itália (09h00)
    [us]13h30: Criação de Emprego não agrícola (Jul)
    [us]13h30: Taxa de Desemprego (Jul)
    [euResultados Empresariais: Allianz SE (06h00), Covestro AG (06h00), ING Groep NV (06h00), London Stock Exchange Group PL (AA), Vonovia SE
    [us]Resultados Empresariais: DISH Network Corp, Dominion Energy Inc (AA), Norwegian Cruise Line Holdings (12h00)
  •  

  •  

  •  

Invest Outlook   3º Trimestre 2021
29.07.2021 Análise Técnica

Update: Prata


25.03.2021 Inflação

Conheça os riscos


30.07.2021 Análise Técnica

Update: S&P500


Os Benefícios da Diversificação

ACESSO INVEST ONLINE
Este site utiliza cookies para funcionar correctamente. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. SABER MAIS Concordo