FIQUE A PARAcompanhe os destaques e principais tendências do dia que influenciam as bolsas em todo o mundo.
Outlook Análise Técnica Research Investimento Educação
Efeito de contágioOpinião 25-03-2020  11:33
  • investimento
À data em que escrevo este texto, a volatilidade dos mercados accionistas norte-americano e europeu situa-se nos 45,4 e 42,2 pontos, respectivamente. Estes valores comparam com o valor médio de 15,7 e 15,4 pontos, no último ano. Na base desta forte subida estão os receios quanto à propagação do novo coronavírus (Covid-19) e ao seu impacto na economia mundial e, consequentemente, nos resultados das empresas.

As Bolsas mundiais registaram perdas significativas, na  ordem dos 15% na última semana de Fevereiro, e a volatilidade permanece elevada no início de Março, com perdas e ganhos alternados. Nem o corte de emergência das taxas de juro pela Reserva Federal norte-americana acalmou os mercados, que ainda tentam modelizar o impacto deste vírus no crescimento económico global: será um impacto de curto-prazo, seguido de uma recuperação igualmente rápida? Ou, pelo contrário, marcará o início de uma inversão de tendência, com uma possível recessão?

Para ser sincero, não sei. O que eu sei é que no início deste ano, tal como tive oportunidade de alertar por várias ocasiões neste espaço, as avaliações dos mercados accionistas estavam historicamente elevadas e a volatilidade muito baixa, aconselhando prudência e a manutenção de alguma liquidez em carteira. Neste momento, os mercados estão cerca de 15% abaixo dos máximos recentes e, consequentemente, menos sobreavaliados. Por exemplo, o PER (Forward 12M) do índice S&P-500 caiu dos 18,3x para os 16,6x, um valor mais próximo da média (pelo menos dos últimos 5 anos). Assim, admitindo que após as quedas recentes o mercado aproximou-se do seu valor justo (assumindo que os resultados esperados das empresas não sofrerão revisões significativas em baixa), os investidores não deveriam realizar alterações muito drásticas nas suas carteiras.

O importante será delinear (ou ajustar) um plano de acção, caso a situação se agrave. Primeira questão: a alocação de activos está adequada ao perfil de risco, ou são necessários ajustamentos? Segunda questão: possuindo liquidez disponível, quanto poderá investir no caso de os mercados caírem mais 10% ou 20%. Ou dito doutra forma, se os mercados caírem 20% qual a exposição desejada relativamente ao nível ‘neutral’ (110%? 120%? Mais?). Apanhar os mínimos é uma “missão impossível”, mas é possível planear os níveis para eventuais reforços de posições ou novos investimentos.

Concluindo, é certo que a propagação do Covid-19 terá um impacto negativo no crescimento económico deste ano. Porém, a extensão e duração do abrandamento ainda é difícil avaliar, pelo que se continua a advogar prudência. As avaliações já estiveram mais elevadas, mas a entrada no mercado deverá ser faseada, tendo presente um objectivo de exposição no caso de o mercado continuar a corrigir.




 im1






Paulo Monteiro Assinatura


Forbes Portugal - Abril de 2020
  • 6
    3
    [eu]10h00: Desemprego (Mai)
    [us]14h45: Índice PMI Serviços (Mai)
    [us]15h00: Encomendas às Fábricas (Abr)
    [us]15h00: Encomendas de Bens Duradouros (Abr)
    [us]15h30: Reservas Semanais de Energia 
  • 6
    4
    [eu]09h00: Índice PMI Serviços (Mai)
    [eu]10h00: Vendas a Retalho (Abr)
    [eu]12h45: Decisão da taxa de juro BCE
    [eu]13h30: Discurso de Lagarde, presidente do BCE
    [us]13h30: Pedidos Semanais de Subsídios de Desemprego 
  • 6
    5
    [de]07h00; Encomendas às Fábricas (Abr)
    [us]13h30: Taxa de Desemprego (Mai)
    [pt]Ibersol apresenta resultados do primeiro trimestre de 2020
    [de]Agência de rating DBRS pronuncia-se sobre dívida soberana da Alemanha
  •  

  •  

  •  

ACESSO INVEST ONLINE
Este site utiliza cookies para funcionar correctamente. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. SABER MAIS Concordo