LEARNING CENTRE - GESTÃO DE RISCO

VALUE-AT-RISK

Como medida de risco é geralmente referida a volatilidade da carteira de investimento. Embora relacionada, no sentido em que quanto maior a volatilidade maior a incerteza (variância) em torno da rendibilidade esperada para a carteira, este indicador não responde intuitivamente à questão que a maioria dos investidores coloca aquando da decisão de investimento: "qual a perda máxima esperada?"

É precisamente a esta questão que o Value-at-Risk (VaR) procura responder. É reportado em unidades monetárias ou em percentagem do valor da carteira, e refere-se à perda esperada, num determinado horizonte temporal e com um dado grau de confiança. É função de três parâmetros - volatilidade, distribuição e correlação das taxas de rendibilidade dos activos constituintes da carteira de investimento. Genericamente, o VaR é apurado pela seguinte fórmula:

, sendo Vp o valor de mercado da carteira p, zα o valor crítico da distribuição considerada (por exemplo, a normal) para o nível de confiança α (por exemplo, 95%), e σp o desvio-padrão da carteira p.

Continuando com o exemplo do nosso investidor - carteira composta por 40% de acções e 60% de obrigações - e assumindo que as taxas de rendibilidade mensais desta carteira seguem uma distribuição aproximadamente normal10 , o VaR mensal, com 95% de confiança, é de 6.2%. Ou seja, com 95% de confiança, a carteira não perde mais de 6.2% num determinado mês.

Frequentemente, o pressuposto da "normalidade" das taxas de rendibilidade não se verifica na realidade. Neste sentido, existem outras formas de cálculo do VaR, sendo uma das mais intuitivas a utilização da distribuição empírica: com base num histograma de taxas de rendibilidade (apresentado no gráfico abaixo), apura-se o valor (VaR) à "direita" do qual ocorreram 95% das ocorrências. No caso em análise, por este método, o VaR seria 4.9%, valor cerca de 20% inferior ao apurado pelo modelo paramétrico (6.2%). Qual dos dois modelos é o mais fiável? A resposta não é fácil - o modelo utilizado deve ter em consideração o tipo de activos analisados (eg, acções, obrigações, derivados...) e a aderência da amostra de taxas de rendibilidade utilizada na estimação das volatilidades e correlações, ao horizonte temporal do VaR.



10. A distribuição normal, pela facilidade de tratamento e computação, é a mais usada na prática. Outras distribuições estatísticas podem (e devem) ser consideradas.

O Banco Invest no seu smartphone, disponível para iOS, Android e Windows Phone. É uma aplicação inovadora para quem gosta de poupar e investir, com gráficos e informação sobre acções europeias e americanas, índices de acções, taxas de juro, câmbios, commodities e comentários da nossa equipa de research sobre as principais noticias do dia.

ACESSO INVEST ONLINE

DOCUMENTO PARA VALIDAÇÃO

POSIÇÕES DO NÚMERO DO DOCUMENTO

 
 
Este site utiliza "cookies" para funcionar correctamente. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais Concordo